Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2022

Entenda como controle externo, interno e social garantem conversão de recursos em benefícios para população

O controle da gestão pública, bem como da aplicação dos recursos financeiros auferidos pelo estado, tem por finalidade assegurar que o dinheiro público seja convertido em benefícios para a população. Este acompanhamento, fundamental para a coerção de práticas que resultem em desperdício ou desvios, se divide em três modalidades: controle externo, controle interno e controle social.
Executados respectivamente por órgãos de controle externo, como Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT), pelas próprios setores da administração estadual e dos municípios e pela sociedade, estes procedimentos asseguram que gestores atuem em consonância com princípios como o da legalidade, moralidade, impessoalidade e eficiência, dentre outros.
Entenda como:
O controle externo é função exercida pelo Poder Legislativo e pelos órgãos de controle externo, como o Tribunal de Contas da União (TCU), o TCE-MT e demais cortes de contas espalhadas pelos entes da federação. A estas instituições cabem competências constitucionalmente definidas e distintas, que compreendem a fiscalização de toda a administração pública.
Com procedimentos e recursos próprios, alheios à estrutura controlada, o controle externo visa a verificação e correção dos atos. Ou seja, faz-se pela fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial do estado e das entidades da administração direta e indireta, no que diz respeito à legalidade, legitimidade, economicidade, aplicação das subvenções e renúncia de receitas.
Neste contexto, as competências do TCE-MT incluem a apreciação das contas anuais do governador do estado, o julgamento das contas dos administradores e demais responsáveis por bens e valores públicos, apreciação da legalidade dos atos de admissão de pessoal, concessão de aposentadorias, reformas e pensões civis e militares, realização de inspeções e auditorias.
Há que se mencionar ainda atribuições como a aplicação de sanções, a determinação da correção de ilegalidades e irregularidades em atos e contratos e a apuração de denúncias apresentadas por qualquer cidadão, partido político, associação ou sindicato sobre inconformidades na aplicação de recursos públicos, dentre outras.
O controle interno, por sua vez, é realizado por cada jurisdicionado, decorrente da sua autonomia administrativa e financeira. Assim, permite à gestão pública rever os seus próprios atos caso ilegais, inoportunos ou inconvenientes, sempre com base nos fundamentos da legalidade, supremacia do interesse público, eficiência e economicidade.
Uma das funções do controle interno, por exemplo, é verificar se as metas anteriormente fixadas na Lei Orçamentária Anual (LOA) alcançaram os resultados almejados, estimulando a ação dos órgãos públicos na análise da eficácia das medidas adotadas na solução dos problemas constatados.
Já o controle social pressupõe a efetiva participação da sociedade, não só na fiscalização da aplicação dos recursos públicos, como também na formulação e no acompanhamento da implementação de políticas. Um controle social ativo e pulsante permite uma maior participação cidadã, o que contribui para a consolidação da democracia.
Esta modalidade efetiva-se, por exemplo, por meio da atuação dos conselhos municipais de políticas públicas, que consolidam a participação da sociedade no acompanhamento e das ações da gestão pública na execução das políticas desenvolvidas em prol das comunidades, avaliando os objetivos, processos e resultados.
Além disso, governo, prefeituras e demais órgãos devem oferecer recursos que permitam ao cidadão melhor acompanhar e compartilhar os dados disponíveis. Para este fim, duas das principais ferramentas à disposição são o Portal da Transparência e as ouvidorias, que permitem a solicitação de informações , nos termos da Lei de Acesso à Informação (Lei nº 12.527/2011).
Por meio delas é possível complementar os achados do Portal da Transparência ou obter documentos ou dados produzidos pelos diferentes órgãos, ou ainda fazer manifestações para o registro de denúncias, reclamações, sugestões, elogios e solicitações. Deste modo, o principal objetivo destes canais é permitir que o cidadão também atue como fiscal dos recursos públicos.
Assessoria/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos