Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Seu título está na mão

Seu título está na mão
1º Título de Eleitor Decreto nº 3.029 - 9.1.1881

CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ
Praça Moreira Cabral - Centro - s/n - Cuiabá-MT

terça-feira, 15 de março de 2022

Anistia Internacional cobra justiça por morte de Marielle

Quatro anos após assassinato da vereadora carioca e de seu motorista, Anderson Gomes, crime segue sem ser esclarecido. Para marcar os quatro anos do assassinato da vereadora carioca Marielle Franco, a organização Anistia Internacional organizou um ato nesta segunda-feira (14/03) no Rio de Janeiro, chamando atenção para a impunidade em que permanece o crime.
Negra, homossexual, moradora de uma favela do Rio de Janeiro, Marielle Franco se destacou por sua atuação em defesa das minorias. Na noite de 14 de março de 2018, o veículo onde a vereadora estava foi alvejado a tiros quando ela voltava para a casa de um debate no centro do Rio. Marielle e o motorista Anderson Gomes morreram na hora. Uma assessora da parlamentar, que também estava no automóvel, sobreviveu. Até hoje, o crime ainda não foi esclarecido.
O assassinato teve ampla repercussão internacional e o caso tornou-se um símbolo da impunidade para esse tipo de crime no Brasil.Justamente para destacar a impunidade, a Anistia Internacional montou uma intervenção urbana com uma instalação com mais de dois metros de altura, em frente à Câmara dos Vereadores, no Centro do Rio de Janeiro. A instalação simula o processo judicial inconcluso até agora, destacando a falta de acesso das famílias das vítimas e seus advogados às informações.
O objetivo é que os pedestres possam "folhear o processo" e ler mensagens sobre a luta das famílias e das organizações da sociedade civil por justiça.
"Já se passaram quatro anos desde o assassinato. Cinco delegados se revezaram na investigação e até agora não responderam quem mandou matar Marielle, nem julgaram as duas pessoas que foram presas e acusadas de serem os autores do crime", disse diretora-executiva da Anistia Internacional para o Brasil, Jurema Werneck.
Segundo a Anistia Internacional, as decisões da Corte Interamericana de Direitos Humanos garantem aos familiares deste crime o acesso às investigações e sua participação em todas as etapas do processo, algo que as autoridades não cumpriram.
"Respeitar o sigilo não significa falta de transparência. A falta de justiça pela morte de um defensor de direitos humanos gera um efeito ameaçador contra outras pessoas que defendem a dignidade e a vida. E há consequências imediatas e de longo prazo para toda a sociedade", afirmou Werneck.
Nas eleições municipais de 2020, a viúva da vereadora, Mônica Benício,foi eleita para uma vaga na Câmara do Rio de Janeiro. A família de Marielle também lançou um instituto que leva o nome da ex-vereadora.
Cidades como Parise Berlim prestaram homenagens póstumas à vereadora. Presos ainda não foram julgados
Dois suspeitos de executarem o assassinato foram presos em 2019, mas ainda não foram julgados: o policial reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio de Queiroz, acusados de envolvimento com milícia. A investigação apontou que Lessa teria efetuado os disparos, enquanto Queiroz teria conduzido o veículo que seguiu Marielle.
Os mandantes e motivos do crime seguem sem esclarecimentos. Uma série de políticos do Rio de Janeiro figuraram como suspeitos de terem ordenado o assassinato, como o vereador Marcelo Siciliano (PHS), o ex-vereador Cristiano Girão e o ex-deputado Domingos Brazão, conselheiro afastado do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Todos negam qualquer envolvimento.
Os assassinatos de Marielle e Anderson ainda criaram constrangimento para o presidente Jair Bolsonaro. Além de um de seus vizinhos ter sido apontado como executor da vereadora, a família presidencial tinha ligações com outro nome que figurou entre suspeitos de envolvimento no crime, o ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega, um notório miliciano do Rio.
Segundo o Ministério Público, a família de Adriano participava do esquema de desvio de dinheiro público do filho mais velho de Bolsonaro, o senador Flávio. Adriano foi morto num cerco policial na Bahia em fevereiro de 2020, quando estava foragido.
le/cn (efe, ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos