Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Seu título está na mão

Seu título está na mão
1º Título de Eleitor Decreto nº 3.029 - 9.1.1881

CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ
Praça Moreira Cabral - Centro - s/n - Cuiabá-MT

sexta-feira, 22 de abril de 2022

Bolsonaro concede indulto a deputado condenado no STF

Presidente citou defesa da liberdade de expressão ao perdoar bolsonarista Daniel Silveira, condenado a 8 anos e 9 meses de prisão por ameaças às instituições. Decisão marca fim da trégua entre o mandatário e o Supremo.
O presidente Jair Bolsonaro concedeu nesta quinta-feira (21/04) indulto ao deputado Daniel Silveira, condenado no dia anterior pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a 8 anos e 9 meses de prisão por ameaças às instituições democráticas do país.
O decreto com o indulto, chamado de "graça constitucional", foi publicado em edição extra do Diário Oficial.
Bolsonaro anunciou a medida em uma transmissão ao vivo nas redes sociais, na qual afirmou que a liberdade de expressão é um "pilar essencial da sociedade em todas as suas manifestações".
O presidente disse que "a graça de que trata esse decreto é incondicionada e será concedida independente do trânsito da sentença penal condenatória".
"A sociedade encontra-se em legítima comoção diante da condenação de parlamentar resguardado pela inviolabilidade de opinião deferida pela Constituição que somente fez uso de sua liberdade de expressão", declarou.
Nesta quarta-feira, Silveira foi condenado por dez votos a um no STF a uma pena de oito anos e nove meses de prisão, com início em regime fechado, além da perda do mandato e dos direitos políticos.
Pressão da base bolsonarista
A pena foi sugeria pelo relator do caso, o ministro Alexandre de Moraes, e apoiada pelos ministros Roberto Barroso, Dias Toffoli, Rosa Weber, Cármen Lúcia, Gilmar Mendes, Edson Fachin, Ricardo Lewandowski e Luiz Fux.
O ministro André Mendonça também votou para condenar o parlamentar, mas sugeriu uma pena mais branda, de 2 anos e 4 meses, a ser cumprida em regime inicialmente aberto.
Ele afirmou que a perda de mandato dependeria do Congresso Nacional e, portanto, não poderia ser imposta pelo STF.
Mendonça, indicado para o Supremo pelo próprio Bolsonaro, sofreu forte pressão da base de apoio do presidente depois de apoiar a prisão de Silveira. Grupos e políticos bolsonaristas se disseram decepcionados com a postura do mais novo integrante da corte.
O ministro Kassio Nunes Marques, que também foi indicado para o STF pelo presidente, votou pela absolvição do deputado.
Fim da trégua
A decisão de conceder o indulto marca o fim de uma trégua entre o presidente e o STF. As tensões entre o Executivo e o Judiciário se agravaram com a participação de Bolsonaro em atos públicos contra o Supremo, realizados em setembro do ano passado.
Possíveis questionamentos do perdão a Silveira na Justiça poderão gerar novos conflitos entre os dois lados.
O STF, se acionado, poderá analisar a constitucionalidade do indulto concedido pelo presidente. Segundo especialistas, o perdão não pode ter o chamado "desvio de finalidade", ou seja, a intenção de atender a objetivos pessoais.
Reações
A decisão de Bolsonaro gerou uma onda de críticas e elogios entre políticos governistas e de oposição.
"Daniel está livre e elegível. Bolsonaro disse que fundamentou a decisão de conceder graça em jurisprudência de Alexandre de Moraes e completou: 'minha decisão será cumprida'", afirmou o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), filho do presidente.
"Bolsonaro afronta o STF com perdão a deputado que ameaçou ministros e pregou golpe de Estado. Está em busca de pretextos para tentar golpear a democracia. O Congresso Nacional precisa se manifestar", pediu o senador Humberto Costa (PT-PE).
O deputado federal e líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), comemorou a decisão do presidente, dizendo que ocorreu "nos termos da Constituição brasileira". "Bom para a democracia e para a harmonia e equilíbrio entre poderes, também consagradas na Constituição".
"O indulto de Jair Bolsonaro a Daniel Silveira, publicado um dia depois do julgamento do STF, é uma afronta ao Poder Judiciário e ao Estado Democrático de Direito. Mais uma vez o presidente usa o cargo para estimular a violência e a apologia ao golpe", afirmou o deputado federal Marcelo Freixo (PSB-RJ).
O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) condenou a decisão do presidente. "Bolsonaro quer atear fogo no Brasil, concedendo graça a um delinquente condenado a mais de 8 anos, antes mesmo do trânsito em julgado! Crimes contra a ordem constitucional não podem ser passíveis deste benefício e iremos ao STF para derrubar esse desmando", afirmou. "Daniel Silveira seguirá banido da vida pública, caso se livre da cadeia!"
rc (ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos