Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, Cuiabá, 78005-906

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

sábado, 16 de abril de 2022

Kiev estima morte de 3 mil soldados ucranianos na guerra

Zelenski afirma ainda que 10 mil militares ucranianos foram feridos e diz temer o uso de armas nucleares e químicas pelos russos. Moscou intensifica ataques após naufrágio de navio de guerra.A Ucrânia estima que entre 2,5 mil e 3 mil soldados ucranianos morreram e cerca de 10 mil ficaram feridos desde o início da guerra, afirmou o presidente do país, Volodimir Zelenski, em uma entrevista à emissora americana CNN, que teve alguns trechos divulgados nesta sexta-feira (15/04).
Entre os feridos, de acordo com Zelenski, é difícil saber quantos sobreviverão. Na entrevista, ele também afirmou que até 20 mil militares russos já teriam morrido no conflito. A estimativa ucraniana de baixas russas é bem maior do que o confirmado por Moscou. A Rússia admitiu recentemente que perdeu cerca 1.350 soldados na guerra.
Na entrevista, que deve ir ao ar no domingo, Zelenski expressou ainda seu temor de que o presidente russo, Vladimir Putin, recorra ao uso de armas nucleares ou químicas na guerra. "Não apenas eu, mas todos os países do mundo deveriam estar preocupados", destacou. "Ele pode usar armas químicas, pois para ele nossas vidas não valem nada. Não devemos pensar que temos medo, mas sim estar preparados", acrescentou.
Em sua tradicional mensagem de vídeo à população, Zelenski disse nesta sexta-feira que a Ucrânia está diante do enorme desafio de reconstruir os locais recuperados que foram destruídos na ofensiva russa. O presidente também afirmou ser difícil estimar o número de civis mortos no conflito, pois algumas regiões estão sob controle russo e há cidades sitiadas.
Em Mariupol, que é alvo de intensos bombardeios e está sitiada há duas semanas, autoridades locais estima que até 20 mil civis já morreram. De acordo com a ONU, nenhum comboio de ajuda humanitária foi autorizado a entrar na cidade, que quase não tem mais suprimento de alimentos e medicamentos e onde 100 mil pessoas ainda estariam vivendo.
Rússia intensifica ataques em Kiev
Depois do ataque que afundou o cruzador de mísseis russo Moskva, no Mar Negro, a Rússia intensificou os bombardeios na região de Kiev. Neste sábado, o Ministério da Defesa russo afirmou que destruiu um fábrica de munições militares.
Segundo a imprensa local, além de Kiev, forte explosões na madrugada de sábado foram ouvidas em várias regiões do país e também em Lviv. Os aviões que atacaram a cidade no oeste da Ucrânia teriam partido de um aeroporto em Belarus.
O prefeito de Kiev, Vitaliy Klitschko, disse que equipes de resgate e socorristas foram enviados para as regiões atingidas pelo ataque no distrito de Darnytsia, onde vivem mais de 1 milhão de ucranianos. Ele pediu que a população não ignore as sirenes de alerta e evitem retornar à capital.
No início de abril, tropas russas se retiraram da região ao redor da capital ucraniana, deixando um rastro de morte e destruição. Depois da retirada, centenas de ucranianos que fugiram da região começaram a retornar para suas casas, pois os bombardeios haviam diminuído significativamente até o naufrágio do Moskva.
A guerra já causou o maior êxodo de civis na Europa desde a Segunda Guerra Mundial. Mais de 5 milhões de refugiados já fugiram da Ucrânia desde o início da invasão russa, no final de fevereiro, segundo a ONU.
CN (efe, dpa, afp)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos