Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Baronês Cuiabá

Baronês Cuiabá
O cardápio mais nobre de Cuiabá.

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, Cuiabá, 78005-906

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

domingo, 15 de maio de 2022

O que se sabe sobre o assassinato de jornalista na Palestina

Shireen
Abu Akleh foi baleada quando trabalhava na Cisjordânia, e Israel e Autoridade Palestina trocam acusações sobre a culpa. Vídeo divulgado por Israel não é do local da morte, afirma ONG israelense à DW após análise. Shireen Abu Akleh só viveu até os 51 anos. A experiente repórter da rede de televisão Al Jazeera foi morta na quarta-feira (12/05) em Jenin, na Cisjordânia. Ela estava no local para cobrir uma incursão de militares israelenses, e usava um capacete e um colete de proteção que a identificavam claramente como membro da imprensa.
Tanto o governo israelense quanto a Autoridade Palestina afirmaram que a morte da jornalista é uma tragédia. Mas a concordância termina aí. Nos últimos dias, autoridades palestinas, assim como a Al Jazeera, que é sediada no Qatar, fizeram duras acusações contra o governo israelense.
No funeral em Ramallah, na quinta-feira, que foi precedido por uma repressão violenta por forças israelenses, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, disse: "Consideramos as autoridades de ocupação israelenses totalmente responsáveis pelo assassinato, e não será possível esconder a verdade sobre este crime".
O primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, já havia rejeitado as acusações na véspera. "Com base em informações preliminares que temos, há uma possibilidade significativa que a jornalista tenha sido baleada por palestinos armados. No entanto, para descobrir a verdade, deve haver uma investigação real", disse Bennett na quarta-feira.
Nenhuma investigação conjunta
A Autoridade Palestina, entretanto, rejeita uma investigação conjunta com as autoridades israelenses por causa de uma "falta de confiança" e disse que, em vez disso, pretende acionar o Tribunal Penal Internacional.
A Autoridade Palestina também não quer entregar a bala que matou Abu Akleh a Israel para exame forense.
De acordo com o jornal israelense Haaretz, Abu Akleh foi aparentemente atingida por uma bala de 5,56 milímetros, provavelmente disparada por um fuzil M16. O jornal afirma que tais armas são utilizadas tanto pelo exército israelense quanto por militantes palestinos.
Abu Akleh estava acompanhada por vários jornalistas. Um colega palestino dela, Ali Al-Samoudi, também sofreu ferimentos a bala. Ele fez sérias acusações contra o exército israelense e disse que não havia combatentes palestinos por perto quando os jornalistas foram alvejados.
Al-Samoudi disse à Al-Jazeera: "Nós íamos filmar a operação do Exército israelense e de repente eles atiraram em nós sem nos pedir para sair ou parar de filmar."
Versões contraditórias
Os militares israelenses rechaçaram esse relato. A operação em Jeni era anti-terrorista e os soldados estavam sob fogo pesado de palestinos armados, afimaram as Forças Armadas de Israel em um comunicado no Twitter. E acrescentaram: "As Forças de Defesa de Israel nunca irão deliberadamente mirar em não combatentes. Estamos comprometidos com a liberdade de imprensa e com a santidade das vidas humanas".
Na quarta-feira, poucas horas após a morte de Abu Akleh, o Ministério das Relações Exteriores israelense havia divulgado um vídeo sugerindo que os palestinos haviam disparado o tiro fatal. No Twitter, a pasta escreveu: "Nesta manhã, em Jenin, terroristas ouvidos dizendo: 'Eles acertaram um, acertaram um soldado, ele está deitado no chão'. Mas nenhum soldado [israelense] do IDF foi ferido em Jenin. Os terroristas palestinos, disparando indiscriminadamente, provavelmente atingiram a jornalista Shireen Abu Akleh, da Al Jazeera."
Várias embaixadas israelenses, incluindo as localizadas em Washington e em Berlim, traduziram a mensagem e a publicaram.
Sem respostas ainda
A organização não-governamental israelense B'Tselem, que é crítica ao governo, examinou o vídeo divulgado pelo Ministério das Relações Exteriores israelense. E concluiu que o vídeo mostra uma cena que ocorreu longe do local onde Abu Akleh foi morta.
Em entrevista à DW, Dror Sadot, da B'Tselem, disse que a organização, por meio de seu pesquisador em Jenin, identificou os dados exatos do GPS do homem armado, assim como do local onde Abu Akleh foi baleada: "Fomos e obtivemos essas imagens em vídeo desses dois locais, e mostramos como não podem se tratar do mesmo incidente."
Entretanto, isso não explica quem atirou em Shirin Abu Akleh.
Ainda não é possível esclarecer isso de forma definitiva, disseram os militares israelenses em uma declaração divulgada na sexta-feira à tarde. E mencionaram duas possibilidades: ou palestinos armados atiraram acidentalmente em Abu Akleh enquanto miravam em soldados israelenses, ou militares israelenses acidentalmente a atingiram enquanto disparavam contra um atirador próximo a ela.
DW/CP
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos