Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

quarta-feira, 22 de novembro de 2023

Às vésperas da COP-28, desmatamento cresce em Mato Grosso e ameaça metas climáticas

Os dados são do Prodes (Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite), que divulgou no último dia 10 a taxa oficial de corte raso medida nos nove estados da Amazônia Legal ao longo de um ano-calendário. Mato Grosso perdeu 2.086 km² de florestas nativas de agosto de 2022 a julho de 2023, um aumento de 8% em relação ao levantamento anterior, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Cerca de 72% dessa área foi derrubada sem autorização.
Os dados são do Prodes (Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite), que divulgou no último dia 10 a taxa oficial de corte raso medida nos nove estados da Amazônia Legal ao longo de um ano-calendário.
No conjunto da região, houve redução de 22% na taxa de desmatamento. Em Mato Grosso, porém, o ritmo da destruição da floresta seguiu o caminho inverso, o que preocupa especialistas do Instituto Centro de Vida (ICV).
Em relatório preliminar divulgado nesta quarta-feira (22), a entidade aponta dúvidas sobre a possibilidade de o Estado alcançar a meta de redução do desmatamento prevista em compromissos internacionais. Daqui a menos de um mês, na Conferência do Clima de Dubai (COP-28), nos Emirados Árabes, o tema certamente será levantado nos debates.
“Este cenário mantém Mato Grosso distante de alcançar as metas estabelecidas em seus planos e estratégias estaduais e cumprir o compromisso internacional assumido durante a Conferência do Clima em Paris, em 2015, de reduzir o desmatamento, atingindo 571 km² por ano até 2030”, diz a entidade, em um trecho.
Ilegalidade
Os dados do Prodes mostram que o Estado foi o segundo da Amazônia Legal com mais área desmatada, atrás somente do Pará. Foram quase 5 mil polígonos de desmatamento detectados, sendo que apenas 180 deles responderam por 53% de toda área desmatada.
“Do total mapeado em 2023, 72,5% foi realizado em áreas sem autorizações válidas para desmate ou para supressão de vegetação emitidas pelo órgão ambiental estadual”, aponta o ICV.
A maior parte das derrubadas ilegais (75%) ocorreu em imóveis rurais com registro no Cadastro Ambiental Rural (CAR) e quase a metade em grandes imóveis com mais de 1.500 hectares.
“No caso dos imóveis cadastrados, o desmatamento ilegal é altamente concentrado. Toda a área destruída se concentrou em apenas 1.258 imóveis”, aponta o relatório.
Neste ano, chamou a atenção o aumento expressivo dos desmates autorizados, que somaram 528 km², quase 23% a mais em relação ao levantamento anterior.
“É preciso desenvolver alternativas e práticas produtivas sustentáveis, que auxiliem na manutenção dos remanescentes florestais”, diz a entidade.
Ranking municipal
Mais da metade da derrubada de florestas em Mato Grosso no período analisado pelo ICV está concentrada em apenas 10 municípios – dentre os quais, nove estão na lista de municípios prioritários para ações de prevenção, controle e redução dos desmatamentos e degradação florestal, publicada pela Portaria GM/MMA Nº 834/2023.
Assim como em outros anos, o campeão é Colniza, no Noroeste do estado, com 149,2 km² de novas áreas abertas. A lista se completa com Nova Maringá, Nova Ubiratã, Juara, Marcelândia, Feliz Natal, Aripuanã, União do Sul, Porto dos Gaúchos e Apiacás.
Feliz Natal foi o município que apresentou a maior área de desmatamento autorizado, com 65,5 km², o que representou 66% de toda a área aberta no município.
O maior desmatamento (polígono contíguo) detectado no período ocorreu em Nova Ubiratã, se estendeu por quase 3 mil hectares e foi realizado sem autorização.
Áreas protegidas
Do total desmatado em Mato Grosso, 1,5% se deu em áreas protegidas, sendo 24,2 km² nas Terras Indígenas (TIs) e 3,8 km² nas Unidades de Conservação (UCs) de Proteção Integral.
Com 5,3 km² de florestas derrubadas, a TI Manoki, localizada no município de Brasnorte, respondeu sozinha por 21% do desmatamento detectado em TIs no Estado.
Entre as Unidades de Conservação de Proteção Integral, a mais atingida foi a Estação Ecológica do Rio Roosevelt II, com 1,8 km² de desmatamento mapeado.
A Reserva Extrativista (Resex) Guariba Roosevelt, UC de Uso Sustentável, também sofreu com o avanço do desmatamento. Foram 7,25 km² de desmate na única Resex do estado, localizada nos municípios de Colniza, Aripuanã e Rondolândia.
Assessoria/Caminho político
@caminhopolitico @cpweb
Curta nosso Instagram: @caminhopoliticomt

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos