Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

domingo, 5 de novembro de 2023

Ato pró-Palestina em Berlim reúne 8,5 mil

Público pediu cessar-fogo em Gaza. Eventos anteriores foram vetados por virarem palco de discursos antissemitas e de glorificação da violência. Em Israel, insatisfação com sequestro de 240 também enseja protestos.Cerca de 8,5 mil pessoas participaram de uma marcha pró-Palestina de teor "predominantemente pacífico" em Berlim neste sábado (04/11), informou a polícia.
Atendendo a uma convocação de organizações de esquerda árabes e alemãs, os manifestantes pedem um cessar-fogo e o fim dos bombardeios na Faixa de Gaza.Alguns dos presentes tinham o rosto coberto, outros agitavam bandeiras palestinas, exibiam cartazes ou gritavam palavras de ordem como "pare o genocídio em Gaza" – acusação contestada por apoiadores de Israel – ou "liberdade para a Palestina".
A região entrou no 29º dia de conflito, deflagrado quando integrantes do grupo radical islâmico Hamas invadiram Israel, massacrando cerca de 1.400 pessoas, a maioria civis, e sequestrando outros mais de 240. Desde então, Gaza está sob bombardeio intenso, e a população civil sofre enquanto o Hamas – acusado de usar inocentes como escudo humano ao passo que se mantém entrincheirado debaixo de uma extensa rede de túneis – continua a lançar foguetes na direção de Israel, que enfrentou ataques vindos ainda da Síria e do Líbano.
O Hamas aposta no prolongamento do conflito às custas da população civil como estratégia para forçar Israel a aceitar um cessar-fogo – endossado por parte da comunidade internacional – e uma troca de reféns por prisioneiros palestinos, segundo fontes da organização ouvidas pela agência de notícias Reuters.
Cerca de mil policiais acompanharam o ato deste sábado a fim de prevenir eventuais confrontos – manifestações anteriores foram marcadas por violência e palavras de ordem de teor antissemita e de apoio ao Hamas, organização considerada terrorista pela Alemanha e outros países do Ocidente.
Segundo a imprensa alemã, foram registradas 64 queixas – 16 delas por suspeita de "incitação ao ódio contra um povo".
Na Alemanha, a incitação ou glorificação da violência contra grupos étnicos ou nacionais é proibida pela Constituição. O país considera a segurança de Israel uma "responsabilidade histórica", razão pela qual não tolera questionamentos à existência do Estado judeu – o Hamas tem por missão estatutária a aniquilação de Israel – e ao seu direito de defesa.
Polícia barrou outras manifestações antes
Um dia após os atentados terroristas do Hamas de 7 de outubro, dezenas de pessoas chegaram a se reunir no distrito de Neukölln para celebrar o massacre e distribuir doces a passantes. O ato foi posteriormente dispersado pela polícia, mas gerou mal-estar e indignação na opinião pública.Dias depois, alegando preocupações de segurança, a polícia anunciou a proibição pontual de atos que representassem possíveis "perigos para a segurança e para a ordem pública". A medida afetou 20 de um total de 45 protestos desde a eclosão do conflito – a liberdade de reunião em locais públicos é um direito fundamental garantido pela Constituição alemã, mas manifestações precisam ser comunicadas previamente à polícia.
Um ato pró-Palestina também neste sábado na cidade de Düsseldorf reuniu outras 17 mil pessoas e transcorreu pacificamente, segundo a agência de notícias dpa. Houve apreensões de cartazes que relativizavam o Holocausto.
A polícia também apura a exibição de cartazes exigindo a criação de um califado islâmico em uma manifestação realizada na sexta em Essen.
No final de semana anterior, outras 10 mil pessoas marcharam em Kreuzberg, outro distrito de Berlim.
Falando à rádio Deutschlandfunk, o Conselho Central dos Muçulmanos na Alemanha condenou as mensagens antissemitas em atos pró-Palestina e pediu cautela aos que se juntam a manifestações do tipo, citando "violações muito claras, violações antissemitas, de ódio a judeus".
Em Paris, palco de outro ato pró-Palestina e pró-cessar fogo neste sábado, parte da multidão acusava Israel de ser "assassina" – o chefe de polícia havia anunciado previamente que não toleraria comportamentos antissemitas e glorificação do terrorismo. No mesmo dia, segundo a Reuters, na também francesa cidade de Lyon, um homem esfaqueou uma mulher judia na porta de casa, pichada com uma suástica. A polícia procura o autor do crime.
Cessar-fogo atenderia apenas aos interesses do Hamas, afirmam aliados de Israel
Israel rejeita a ideia de um cessar-fogo, no que é apoiado pelos Estados Unidos. "Um cessar-fogo apenas manteria o Hamas no poder, permitindo que se reagrupem e repitam o que fizeram em 7 de outubro", afirmou neste sábado o secretário de Estado americano Anthony Blinken. O emissário da Casa Branca, contudo, reiterou o apoio americano a "pausas humanitárias" que permitam um fluxo de ajuda humanitária e a retirada de civis de Gaza.
Segundo a Sociedade do Crescente Vermelho egípcia (braço da Cruz Vermelha), 1.102 estrangeiros e palestinos com dupla nacionalidade deixaram Gaza pela fronteira de Rafah, aberta pela primeira vez neste sentido só na quarta semana de conflito. A saída, porém, teria sido barrada neste sábado pelo Hamas, segundo do Crescente Vermelho Palestino.
Também no sábado, falando a membros do partido dos Verdes, o vice-chanceler alemão Robert Habeck defendeu que o Hamas "precisa ser destruído porque [o grupo] está destruindo o processo de paz no Oriente Médio".
Ministro do Exterior da vizinha Jordânia, Ayman Safadi disse discordar que a ação militar israelense seja autodefesa. "Não pode ser justificado sob nenhum pretexto e não trará paz nem segurança à região."
Protestos também em Israel
Milhares também foram às ruas em Israel para pedir a libertação dos mais de 240 reféns mantidos há 29 dias em Gaza pelo Hamas. É a segunda semana de protestos, e segundo o jornal israelense Haaretz há atos marcados em Haifa, Tel Aviv, Jerusalém, Beer Sheva, Eilat, dentre outras cidades.
Pessoas se reuniram em frente à residência oficial do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, em Jerusalém, para pedir sua renúncia do cargo – o premiê tem evitado se pronunciar sobre a responsabilidade e eventuais falhas do governo em relação ao 7 de outubro, dizendo que prestará contas quando a guerra declarada contra o Hamas terminar.
Alguns familiares dos reféns têm passado as noites acampados em barracas armadas em frente ao quartel-general de defesa em Tel Aviv. O Hamas alega que mais de 60 reféns estariam desaparecidos como consequências dos bombardeios em Gaza – não é possível verificar essa informação de forma independente.
ra (ots, dpa, AP, Reuters)Caminho Politico
@caminhopoliticomt @cpweb
Curta nosso instagram: @caminhopoliticomt

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos