Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

sábado, 11 de novembro de 2023

Macaco geneticamente modificado brilha no escuro na China

Pela primeira vez, cientistas conseguiram criar em laboratório um primata quimérico, ou seja, com grande quantidade de células-tronco de um animal implantadas em outro embrião. Pesquisadores chineses anunciaram o nascimento do primeiro primata quimérico do mundo. O macaco foi criado em laboratório e uma grande proporção de suas células não vem do embrião original, mas de células-tronco implantadas. Na mitologia grega, Quimera é uma criatura híbrida. Já na biologia, o termo é usado para se referir a algo composto por células geneticamente diferentes.
O filhote foi sacrificado 10 dias após o nascimento, devido ao agravamento de sua condição respiratória e à hipotermia.
Os resultados da pesquisa foram publicados nesta quinta-feira (09/11) na revista científica Cell. De acordo com os autores, eles poderão ajudar a compreender melhor as chamadas células estaminais pluripotentes em primatas e humanos, o que poderia acarretar, no futuro, em modelos animais mais precisos para o estudo de doenças neurológicas e para outros estudos biomédicos e, em uma visão mais otimista, até no cultivo de órgãos para transplantes em humanos.
Macaco brilhante
No estudo, foram usadas células-tronco embrionárias (CTE), que podem dar origem a qualquer tecido do corpo.
Os pesquisadores implantaram este tipo de célula de um animal da espécie Macaca fascicularis no embrião de outro macaco da mesma espécie. No estágio estudado, o embrião ainda não estava muito desenvolvido e consistia em no máximo 32 células.
De acordo com os pesquisadores, alguns dos órgãos e tecidos do filhote se desenvolveram mais a partir de suas próprias células e outros, mais a partir das células implantadas. Os tipos de tecidos contendo CTE incluíam o cérebro, o coração, os rins, o fígado e o trato gastrointestinal, bem como os testículos e as células que eventualmente se transformam em espermatozoides.
As células-tronco implantadas foram marcadas com uma proteína verde-fluorescente para determinar quais tecidos continham células derivadas delas - além de outros testes para confirmar sua presença.
Por essa razão, nas fotos do macaco, as pontas dos dedos e os olhos, por exemplo, brilham levemente em verde, mostrando que nessas partes do corpo há muitas células provenientes das implantadas.
Segundo os pesquisadores, as células modificadas eram responsáveis por cerca de um terço do macaco. No caso dos chamados neurônios motores - as células nervosas que controlam os músculos - esse número chegou a 90%.
Em tentativas anteriores, embora presentes, as células do doador eram escassas e não contribuíam, de fato, para a formação de tecidos. Por isso, o animal não poderia ser enquadrado como "quimérico".
Primeiro primata quimérico
O filhote de macaco não é o primeiro animal quimérico a ser criado com sucesso em laboratório. Camundongos quiméricos têm sido usados ​​para fins de pesquisa há muito tempo. O avanço em relação a essa pesquisa é que, pela primeira vez, foi criado um primata, grupo ao qual pertencem os seres humanos.
O objetivo, segundo os autores do estudo, é pesquisar doenças vindas de alterações prejudiciais em determinados genes, identificando em que ponto do desenvolvimento o defeito genético é mais sério, a fim de desenvolver medidas terapêuticas que possam reduzir estes efeitos ou talvez até preveni-los.
Uma das vantagens do estudo com animais quiméricos é que as células adicionadas podem ser geneticamente modificadas de forma relativamente pesada – algo que não é possível em embriões sem destruí-los.
Dessa forma, modificações genéticas complexas podem ser introduzidas nesses animais para apresentar sintomas de certas doenças e, posteriormente, estudar formas de tratá-las.
Em uma visão mais utópica, os especialistas também esperam que, no futuro, seja possível cultivar em animais quimeras órgãos para doação. Por exemplo: criar um porco em laboratório sem um órgão específico e, a partir da introdução de células-tronco humanas, criar o órgão humano a ser transplantado.
Polêmica ética
A pesquisa na China, além do filhote vivo, deu origem, também, a um feto quimérico abortado. Mas, para esse resultado, foram necessárias mais de 200 tentativas.
Por essa razão, o experimento gerou polêmica no campo da ética. Devido à semelhança entre humanos e primatas não humanos, aplicam-se regras especiais a este tipo de estudo. Por exemplo: esses experimentos só são aprovados se não houver outra forma de atingir o resultado desejado. Com algumas exceções, os experimentos com grandes símios, ou seja, chimpanzés, gorilas e orangotangos, são completamente proibidos.
le (EFE, ots)Caminho Politico
@cpweb @caminhopoliticomt
Curta o instagram: caminhopoliticomt

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos