Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

quinta-feira, 11 de janeiro de 2024

ANGOLA: Álvaro Sobrinho: Entre processos e a busca pela verdade

Em entrevista exclusiva à DW, o ex-banqueiro luso-angolano, Álvaro Sobrinho, refuta acusações de desvio de fundos, critica a imprensa portuguesa e fala das medidas anticorrupção em Angola e titularidade do Novo Jornal. Álvaro Sobrinho, ex-presidente executivo do Banco Espírito Santo Angola (BESA), contestou veementemente as informações que circulam na imprensa, as quais o acusam de ser responsável pelos desvios de fundos ocorridos durante sua liderança no banco, mais tarde transformado no Banco Económico (BE).
O ex-banqueiro angolano, sob medidas de coação impostas pela justiça portuguesa há anos, afirmou, em entrevista exclusiva à DW, que este é um dos processos mais longos e violentos abertos em 2010 pelo Ministério Público português.
"Resumidamente, este processo de Angola em 2010 (77/10) foi arquivado. Ninguém foi acusado, mas a certidão que deu lugar a este processo continuou. O processo base cai, mas o processo 244/11 continuou. Aí nesse processo, fez-se o primeiro arresto de meus bens em Portugal com a argumentação dos crimes apontados, na altura, de burla, associação criminosa, branqueamento de capitais e mais um outro que eu agora não me recordo", revelou.
Falsas acusações?
"Numa fase inicial," explica, "era um processo vindo de Angola que tinha que ver com o Banco Nacional de Angola (BNA) e que envolvia o seu nome sem nenhuma queixa por parte da justiça angolana."É desta forma que Álvaro Sobrinho quebra o silêncio e esclarece os factos, contextualizando passo a passo os processos que recaíram sobre ele depois da investigação iniciada em 2010 pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).
"E, apesar de não ter sido, no fundo, acusado por ninguém ou pelo menos indiciado por ninguém, o Ministério Público [português] assim o decidiu porque tinha recebido fundos cá em Portugal, que eles achavam que era de proveniência ilícita", disse.
A fase atual do processo em Portugal coincide com o arquivamento, em maio de 2021, na Suíça, um dos países por onde passaram os fundos transferidos do então Banco Espírito Santo (BES) e onde o ex-banqueiro também foi investigado e absolvido.
"Um novo interrogatório acabou em março de 2022 com as medidas de coação mais violentas jamais vistas em Portugal."
O BES e a sentença da imprensa portuguesa
Sobrinho aponta o dedo à imprensa, sobretudo a portuguesa, que se encarregou de fazer o seu julgamento prévio, depois de ter sido arquivado o processo inicial. "Eu já estou condenado há 14 anos e tudo o que vem na imprensa é uma condenação", contou.
O ex-banqueiro Álvaro Sobrinho afirma que o extinto Banco Espírito Santo Angola (BESA) não teve responsabilidade na falência do Banco Espírito Santo (BES) em Portugal, como foi afirmado pela imprensa portuguesa.
À DW em Lisboa, o empresário, que foi presidente executivo da instituição angolana até 2012, quebra o silêncio ao argumentar que a queda do BES deve ser atribuída ao Grupo Espírito Santo, a instituição portuguesa então liderada por Ricardo Salgado.
Medidas anticorrupção em Angola
Inquirido pela DW sobre o que pensa a propósito das medidas de combate à corrupção lançadas por João Lourenço, em 2017, Sobrinho diz que o Presidente angolano "nunca escondeu na sua campanha eleitoral o combate à corrupção. Uma coisa é dizer: «eu quero combater a corrupção»; coisa completamente diferente é quando se chega lá e se vê que a corrupção tem uma dimensão estrutural. E quando se tem uma dimensão estrutural leva muito tempo a que ela seja combatida", revelou.
"É um processo que não começa nem acaba com o Presidente João Lourenço”, admite.
O Novo Jornal
Álvaro Sobrinho também questiona a titularidade do "Novo Jornal”, na sequência de umlitígio na justiça angolana que envolve o seu irmão, Emmanuel Madaleno, a quem acusa de "abuso de confiança”. Sobrinho meteu um processo cível contra o irmão, que diz por seu lado que o jornal é propriedade do Grupo Nova Vaga.
Angola Novo Jornal
A propósito da ocorrência do passado dia 22 de dezembro, reportado pela DW, o empresário explica que: "a polícia esteve presente para, no fundo, fazer cumprir uma ordem do tribunal pela qual as pessoas que lá estavam dentro não queriam cumprir. E quando assim é, em qualquer país, quando há uma resistência à justiça é evidente que a justiça pede a intervenção dos órgãos policiais para fazer cumprir a lei", disse.
Álvaro sobrinho quer recuperar o "Novo Jornal” com base na verdade e explica que o título foi adquirido por ele ao Grupo Espírito Santo, através da White Capital, detido em 70 por cento pela empresa New Media.
Como filantropo e pelo prestígio que diz ter granjeado junto de instituições internacionais de crédito, o empresário assegura que quer libertar-se destes processos na justiça para continuar a dedicar o seu esforço a ajudar os menos favorecidos e a apostar na formação da juventude em África, não só em Angola.
João Carlos/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb
Curta nosso Instagram: @caminhopoliticomt
Curta nosso facebook: /cp.web.96

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos