Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

sábado, 20 de janeiro de 2024

GUINÉ-BISSAU: Bissau: Marcação das eleições é "manobra" de Sissoco?

Em entrevista à DW, analista político guineense, Rui Jorge Semedo, fala sobre a marcação das novas eleições na Guiné-Bissau. E diz que, quanto à pressão interna pela reposição da constitucionalidade, efeito é nulo.A marcação de eleições das eleições na Guiné-Bissau é vista com suspeição pela sociedade e até como manobra de distração para a comunidade internacional, que já começa a estar atenta às inconstitucionalidades cometidas pelo Presidente da República, Umaro Sissoco Embaló.
Após a destituição do Governo, em dezembro, o Presidente afirmou nesta sexta-feira (19.01) que pretende realizar consultas com a Comissão Nacional de Eleições para marcar as eleições, provavelmente em outubro/novembro, e disse também que não fechou o parlamento do país.
Mas a dissolução da Assembleia Nacional Popular e a destituição do Governo, no fim do ano passado, têm sido contestadas como inconstitucionais. Sissoco alega que a decisão foi tomada devido a tentativa de golpe e corrupção.
Em entrevista à DW, o analista político guineense Rui Jorge Semedo explicou se a marcação das novas eleições seria uma "tentativa de distração". E disse que, quanto à pressão interna pela reposição da constitucionalidade, o seu efeito é nulo.
Rui Jorge Semedo: [A marcação das eleições] não só é uma tentativa de distração. Com esta marcação, ainda não sei se são eleições legislativas ou presidenciais... porque, de acordo com o calendário eleitoral, está previsto para o ano de 2024 também eleições presidencias. Portanto, até se confirmar uma marcação de eleições , o Presidente continua a "navegar no mar das inconstitucionalidades". Portanto, é bom saber que a comunidade internacional está a acompanhar isso. A comunidade internacional sabe que a Guiné-Bissau tem este problema de cumprimento da constitucionalidade. Nós esperamos também que a comunidade internacional tome as devidas medidas para poder pressionar as autoridades nacionais a cumprirem com aquilo que está na nossa Constituição da República.
DW África: O alargamento do debate da crise guineense para um plano internacional preocuparia Umaro Sissoco Embaló?
RJS: Não sei se isso preocuparia, ou não. O que nós, guineenses, gostaríamos de ver é a comunidade internacional influenciar, talvez até obrigar, os atores nacionais a cumprir com as leis do país. Eu acho que é o mínimo que se espera e que se exige do Presidente. Nós esperamos também que a comunidade internacional possa fazer esta parte, de ajudar os guineenses.
DW África: Qual é o peso da contestação interna no contexto político atual?
RJS: Há um amordaçamento das contestações. As autoridades nacionais nunca permitiram que houvesse manifestação por parte da sociedade civil. Um dia antes de alguma manifestação anunciada, eles levam para a rua um aparato militar assustador, para desincentivar qualquer iniciativa de manifestação. Portanto, todo mudo está com medo. Poucas pessoas saem às ruas para exprimir o que pensam. Há um "medo" de enfrentamento democrático. E não há, até este momento, algum impacto que possa fazer o Presidente da República voltar atrás, mudando o seu decreto que dissolveu o parlamento e, com isso, permitindo que as instituições voltem a funcionar.
DW África: A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) debateu esta semana a situação política da Guiné-Bissau. Espera alguma ação concreta da CPLP?
RJS: Acho que seria bom, não é? Pois a CPLP, do ponto de vista cultural, é uma comunidade mais próxima da Guiné-Bissau. Do ponto de vista geográfico, é mais distante. Mas esperamos que a CPLP possa fazer o que está ao seu alcance, sobretudo levando este debate para as Nações Unidas - o que, talvez, possa vir a ter maior impacto.
DW África: Que desfecho antevê para a crise política guineense e até para a presidência de Umaro Sissoco Embaló?
RJS: O desfecho é o aprofundamendo da crise política institucional. Pelo menos é isso o que temos visto nos últimos tempos. A cada dia agrava-se, ainda mais, a fragilidade institucional na Guiné-Bissau, o risco de violência institucional e o aprofundamento da crise social, com o aumento da pobreza entre os cidadãos. Eu penso que isso será a consequência da luta pelo poder.
Nádia Issufo/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb
Curta nosso Instagram: @caminhopoliticomt
Curta nosso facebook: /cp.web.96

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos