Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra

Prefeitura Municipal de Tangará da Serra
Avenida Brasil, 2351 - N, Jardim Europa, 78.300-901 (65) 3311-4800

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Prefeitura de Rondonópolis

Prefeitura de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022 Telefone: (66) 3411 - 3500 WhatsApp (Ouvidoria): (66) 9 8438 - 0857

quinta-feira, 18 de janeiro de 2024

MOÇAMBIQUE: Adriano Nuvunga na corrida às presidenciais em Moçambique?

Adriano Nuvunga rejeita, por enquanto, a possibilidade de concorrer às eleições presidenciais em 2024, preferindo ter um papel na sociedade civil. Especialistas veem sociedade civil como alternativa à oposição. Adriano Nuvunga candidato às presidenciais em Moçambique? Uma possibilidade que o destacado ativista descarta, pelo menos para 2024. Mas Nuvunga não descarta a possibilidade de o fazer futuramente se o nível de descrédito entre a população persistir. O ativista acha que por enquanto é mais útil na sociedade civil a fazer o contraponto à governação.
Enquanto os principaís partidos moçambicanos estão em querelas por mudanças internas, ganha consistência a ideia de uma substituição da oposição moribunda por uma sociedade civil pujante na cena política. Andre Thomashausen, especialista em direito internacional, avança inclusivamente o nome de uma das proeminentes figuras da sociedade civil como provável candidato às presidenciais de outubro próximo:
"O académico moçambicano Adriano Vuvunga, pessoa com perfil público muito, muito forte, não se quer alinhar nem com um e nem com outro partido, mas representa moçambicanos de idade mais ou menos jovem, com boa força intelectual, com integridade e que poderão fazer melhor. E vamos ver se nas próximas eleições poderá haver uma subida a responsabilidade política dessa liderança da sociedade civil", disse.
Trabalho de destaque
Para além do engajamento no ativismo, Adriano Nuvunga, através da sua ONG Centro para a Democracia e Direitos Humanos (CDD), é visitado regularmente por ilustres figuras de Governos e destacadas organizações ocidentais. O seu trabalho granjeia simpatias de diversos setores, porém Nuvunga garante à DW que não pretende concorrer a Presidente.
"Eu sou ativista, estaria a desvirtuar o sentido do meu trabalho. As condições em que o país e o continente se encontram neste momento necessitam de vozes críticas que mostrem a direção. Então, eu faço parte desse grupo que está orientado para a manutenção da bússola do caminho da justiça, dos direitos humanos e do progresso para o nosso povo, faço isso melhor nesta posição de ativista", revelou.
Do outro lado da trincheira
Objetivos igualmente perseguidos por um estadista, a princípio, que apenas o faz numa categoria diferente. Mas Nuvunga insiste que o nível de destruição do Estado e o desespero coletivo requer ainda a sua continuidade do outro lado da trincheira para manter acesa a chama da esperança de mudança. Contudo, concorda com Thomashausen que a sociedade civil deve substituir a oposição há muito mergulhada na letargia.
"Por aquilo que se vê onde as forças políticas da oposição, aquelas que ocupam esses lugares parecem estar no bolso da FRELIMO. E aFRELIMO cada vez mais se militariza, acredita e usa a força das armas para se manter no poder. Cada vez mais a sociedade civil tem de desempenhar esse papel [de oposição]."
Talvez no futuro?
E é nessa senda que, depois de alguma insistência da DW, Nuvunga assume que não descarta a possibildade futura de vir a concorrer à liderança do país.
"Mas claro, quem sabe no futuro dado o nível de descrédito em que o país se encontra talvez, mas no momento atual o foco é mesmo este", confessou.
Uma saída de Nuvunga, ou de outra destacada figura da sociedade civil para a governação, não amputaria o setor e desiquilibraria a luta por melhores condições para o povo? O ativista usa o argumento renovação para responder:
"Há cada vez mais jovens a ocupar as posições. Nós também temos de nos preparar para deixar esses lugares para os jovens. A democracia só se desenvolve quando há essa consciência de missão cumprida."
Nádia Issufo/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb
Curta nosso Instagram: @caminhopoliticomt
Curta nosso facebook: /cp.web.96

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos