Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

GOVERNO DE MATO GROSSO

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

quarta-feira, 22 de maio de 2024

Wilson acredita que uso de câmeras pela PM de SP pode influenciar MT

Secretário da pasta, Guilherme Derrite, sabe da eficácia dos equipamentos. A mudança de posicionamento do secretário de Segurança Pública de São Paulo, Guilherme Derrite, sobre o uso de câmeras corporais pelas forças de segurança paulistas pode ajudar a convencer os parlamentares mato-grossenses a votarem pela aprovação do projeto de lei (PL) 213/2023, do deputado estadual Wilson Santos; é o que acredita o parlamentar.
O PL obriga a instalação de câmeras de vigilância no interior de viaturas, aeronaves, embarcações, fardas e/ou capacetes dos policiais militares no âmbito do Estado e determina que os equipamentos possuam “resolução suficiente, ferramenta tipo ‘zoom’ e opção de impressão, com o intuito de identificação dos infratores ou da situação ocorrida, com sensibilidade à luz compatível com a iluminação do local, a fim de permitir a identificação fisionômica de pessoas ou situações presentes no sistema monitorado”. Também estabelece o prazo máximo de um ano após a publicação da lei para instalação deles
Na última terça (6), porém, o projeto foi retirado da pauta de votação da Comissão de Segurança Pública e não seguiu para votação em plenário. Para o autor da proposta, "uma decisão monocrática do presidente da comissão, o deputado Elizeu Nascimento (PL), que é policial militar aposentado".
Wilson acredita que a saída de pauta dá mais tempo para que a proposta seja debatida na comissão e que seus colegas levem em conta os argumentos que levaram o secretário de segurança pública de SP a mudar de ideia sobre o tema em seu Estado. Na última sexta-feira (10), Derrite, se mostrou favorável às câmaras após constatar a eficiência dos equipamentos em diferentes funcionalidades.
"O fato novo e relevante é que o secretário Derrite, que sempre foi um parlamentar rigorosamente contra a proposta de câmeras, mudou radicalmente de posição, defendendo hoje a manutenção das câmeras. E mais, defendendo a ampliação das câmeras, passando a ter também equipamento para reconhecimento facial, reconhecimento de placa", disse.
“Já são mais de 10 mil câmeras funcionando em São Paulo, o que tem ajudado muito o policial que age de maneira protocolar, correta. Não tenho dúvida de que nada é mais forte do que uma ideia quando chega o seu tempo”, pontuou.
O projeto segue em primeira votação na Comissão de Segurança. Depois vai ao plenário e, em seguida, à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).
Wilson acredita que uso de câmeras pela PM de SP pode influenciar MT
Secretário da pasta, Guilherme Derrite, sabe da eficácia dos equipamentos. A mudança de posicionamento do secretário de Segurança Pública de São Paulo, Guilherme Derrite, sobre o uso de câmeras corporais pelas forças de segurança paulistas pode ajudar a convencer os parlamentares mato-grossenses a votarem pela aprovação do projeto de lei (PL) 213/2023, do deputado estadual Wilson Santos; é o que acredita o parlamentar.
O PL obriga a instalação de câmeras de vigilância no interior de viaturas, aeronaves, embarcações, fardas e/ou capacetes dos policiais militares no âmbito do Estado e determina que os equipamentos possuam “resolução suficiente, ferramenta tipo ‘zoom’ e opção de impressão, com o intuito de identificação dos infratores ou da situação ocorrida, com sensibilidade à luz compatível com a iluminação do local, a fim de permitir a identificação fisionômica de pessoas ou situações presentes no sistema monitorado”. Também estabelece o prazo máximo de um ano após a publicação da lei para instalação deles
Na última terça (6), porém, o projeto foi retirado da pauta de votação da Comissão de Segurança Pública e não seguiu para votação em plenário. Para o autor da proposta, "uma decisão monocrática do presidente da comissão, o deputado Elizeu Nascimento (PL), que é policial militar aposentado".
Wilson acredita que a saída de pauta dá mais tempo para que a proposta seja debatida na comissão e que seus colegas levem em conta os argumentos que levaram o secretário de segurança pública de SP a mudar de ideia sobre o tema em seu Estado. Na última sexta-feira (10), Derrite, se mostrou favorável às câmaras após constatar a eficiência dos equipamentos em diferentes funcionalidades.
"O fato novo e relevante é que o secretário Derrite, que sempre foi um parlamentar rigorosamente contra a proposta de câmeras, mudou radicalmente de posição, defendendo hoje a manutenção das câmeras. E mais, defendendo a ampliação das câmeras, passando a ter também equipamento para reconhecimento facial, reconhecimento de placa", disse.
“Já são mais de 10 mil câmeras funcionando em São Paulo, o que tem ajudado muito o policial que age de maneira protocolar, correta.Não tenho dúvida de que nada é mais forte do que uma ideia quando chega o seu tempo”, pontuou.
O projeto segue em primeira votação na Comissão de Segurança. Depois vai ao plenário e, em seguida, à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).
Assessoria/Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos