Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

GOVERNO DE MATO GROSSO

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)

Deputado Estadual Drº. Eugênio de Paiva (PSB-40)
Agora como deputado estadual, Eugênio tem sido a voz do Araguaia, representa o #VALEDOARAGUAIA! 100% ARAGUAIA!🏆

Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

segunda-feira, 1 de julho de 2024

Na França, centristas e esquerda tentam deter ultradireita

Blocos macronista e esquerdista retiram candidaturas concorrentes onde há disputa no 2º turno com o Reunião Nacional de Marine Le Pen, que ameaça assumir o controle do Parlamento e paralisar o governo. Em um esforço articulado para impedir a ultradireitista Reunião Nacional (RN) de formar maioria no Parlamento francês no segundo turno da eleição legislativa, marcado para o próximo domingo (07/06), partidos de centro e de esquerda então retirando candidaturas que concorrem entre si com a RN.
A estratégia visa concentrar em uma só candidatura do campo democrático os votos dos eleitores que não querem ver a eurocética e anti-imigração RN no comando da Assembleia Nacional – um cenário que levaria o governo do presidente Emmanuel Macron à paralisia.
A RN de Marine Le Pen conseguiu a liderança no primeiro turno, realizado no domingo passado, com 33,15% dos votos, seguida pela coalizão de partidos de esquerda Nova Frente Popular (NFP), com 27,99%, e pela coligação centrista de Macron, a Juntos, com 20,04%.
501 dos 577 assentos do Parlamento serão definidos no 2º turno
Mas a votação do primeiro turno só definiu 76 dos 577 deputados da Assembleia Nacional, que obtiveram maioria absoluta. Destes, 37 foram da RN, enquanto a NFP fez 32 e o Juntos, apenas dois. A decisão sobre os demais 501 assentos ficou para o segundo turno. Só que em 306 dessas 501 disputas, três candidatos se qualificaram. Boa parte deles é ligada à RN – que está em quase todas as votações do segundo turno –, à NFP (272) ou ao Juntos (239), segundo a Rádio França Internacional.
Com isso, candidatos da esquerda e do centro se veem competindo entre si – uma situação que pode beneficiar a RN, que já largou na frente em 260 disputas, contra 127 da NFP e 68 do Juntos, conforme um levantamento do jornal francês Le Monde.
Pesquisas realizadas antes do primeiro turno sugerem que uma grande maioria dos eleitores de esquerda e uma maioria menor de centristas estaria disposta a apoiar outro candidato para manter a RN fora do governo francês – na França semipresidencialista, é o Parlamento quem indica o primeiro-ministro e forma o gabinete de governo.
O Le Monde afirma que houve renúncias de candidaturas em ao menos 167 disputas, a maioria vindas da NFP ou do Juntos.
O prazo para retirada de candidaturas se encerra na noite de terça-feira (02/07).
Centristas mais relutantes
A própria NFP já havia anunciado que abriria mão de candidaturas em disputas onde houverem concorrentes do campo democrático mais bem votados e, portanto, com maiores chances de derrotar a ultradireita.
Macron indicou que sua coligação faria o mesmo, desde que os candidatos beneficiados pertençam a partidos que compartilham dos "valores da República". Já o conservador partido Os Republicanos, que teve 6,6% dos votos e só elegeu um deputado no primeiro turno, disse que pretende não retirar nenhuma candidatura.
Alguns aliados de Macron sugeriram, porém, que não ajudariam a eleger candidatos da sigla de esquerda radical França Insubmissa, equiparando-a à RN. Foi o caso do premiê francês Gabriel Attal, que acusou o partido de "evitar uma alternativa crível" a um governo de ultradireita.
"Nenhum voto deve ser dado aos candidatos da Reunião Nacional, mas também aos candidatos da França Insubmissa, de quem diferimos em princípios fundamentais", afirmou o ex-primeiro-ministro Eduoard Philippe, outro aliado de Macron.
O cenário de segundo turno com numerosas disputas "triangulares" – como são chamadas as eleições entre três candidatos – é incomum na França. Isso porque, para se qualificar para um segundo turno, candidatos precisam ter mais de 12,5% dos votos do eleitorado – algo difícil diante do usual desinteresse dos franceses, que não são obrigados a votar.
No domingo, porém, a taxa de eleitores que compareceram às urnas foi de quase 67% – a maior desde 1997, e muito acima dos 47,5% vistos na última eleição parlamentar, em 2022.
Macron dissolveu Assembleia Nacional após vitória da ultradireita nas eleições europeias
Em 9 de junho, após ver sua aliança centrista derrotada pela Reunião Nacional (RN) nas eleições ao Parlamento Europeu, Macron anunciou a dissolução da Assembleia Nacional e a convocação de eleições antecipadas.
Ao convocar uma eleição-relâmpago, o francês esperava voltar a atrair os eleitores que se opõem à ultradireita de Le Pen, como ocorrera nas presidenciais de 2017 e 2022, e eventualmente eleger uma Assembleia Nacional mais favorável.
ra (ots)Caminho Político
@caminhopolitico cpweb
Curta nosso Instagram: @caminhopoliticomt
Curta nosso facebook: /cp.web.96

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos