Greenpeace no Brasil

Vereador RODRIGO ZAELI do PSDB-MT

Vereador RODRIGO ZAELI do PSDB-MT
Câmara Municipal de Rondonópolis R. Cafelândia, 434 – La Salle, Rondonópolis – MT, 78710-050 (66) 3422.7554 | (66) 99900.5757 atendimento@rodrigodazaeli.com.br

"Prefeitura de Cuiabá - Trabalhando e cuidando da gente"

TCE MT

"BATERIA BEAT CUIABÁ"

"BATERIA BEAT CUIABÁ"
Av. Senador Filinto Muller, 829. Quilombo, Cuiaba - MT (65) 3637.1634 (65) 9 9994.6505 contato@baterasbeatcuiaba.com.br

quinta-feira, 5 de abril de 2018

"Bolsonaro corre o risco de murchar com o afastamento do “risco Lula”

Resultado de imagem para Paulo Kramer é cientista político, com doutorado pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj)Para o mercado, Lula impedido de concorrer, ou mesmo impossibilitado de fazer campanha, é mais importante do que Lula preso, mas é claro que a perspectiva da prisão torna essas duas perspectivas ainda mais remotas. Felizmente! Já para a análise política, o que mais importa agora é discernir qual a preocupação que terá maior peso na decisão do eleitor, na hora de escolher o próximo presidente: economia, combate à corrupção ou segurança pública? O discurso e a ‘persona’ do Bolsonaro conjugam a segunda e a terceira variável. Nesse sentido, ele está bem posicionado, na frente dos virtuais adversários de centro. Nenhum deles mostrou-se ainda capaz de apresentar uma candidatura viável e empolgante, quadro que poderia mudar se Doria tomasse o lugar de Alckmin.
Outro foco merecedor de atenção é o desenrolar da disputa na rinha dos outsiders.
Adendo: a cada vez mais provável saída de Lula do chamado proscênio acelerará a luta pela definição da candidatura esquerdista mais viável. Todos os concorrentes desse campo ideológico estão de olho, é claro, no espólio lulopetista. Uma herança que já não parece tão portentosa assim. Formalmente, na eleição de 2016, o PT perdeu cerca de 60% das prefeituras que controlava, mas, na prática e no conjunto (dado o peso de megamunicípios como SP), isso representava 90% de sua antiga máquina de poder.Já Bolsonaro corre o risco, sim, de ver sua candidatura murchar com o afastamento do risco-Lula. Pode ser que, para se manter na crista da onda, tente persuadir o eleitorado de que ele, Bolsonaro, é o candidato que melhor encarna o zeitgeist que triunfou no Supremo Tribunal Federal na madrugada desta quarta-feira (4).
Ainda sobre a candidatura presidencial da esquerda, estou curioso para ver o desfecho da queda de braço, no PSB, entre Siqueirinha, presidente da legenda, e Joaquim Barbosa.
O segundo não aceita candidatura alguma além da presidencial. O primeiro procura se equilibrar entre os interesses da família de Eduardo Campos e dos candidatos proporcionais, que estão angustiados com a grana escassa para suas campanhas, ainda mais se forem obrigados a dividi-la com uma candidatura ao Planalto.
Agora, eu pergunto a vocês: nesta nova conjuntura, pós-STF, poderá surgir uma onda Alckmin?
Paulo Kramer é cientista político, com doutorado pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj), e professor licenciado do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília (Ipol/UnB). Mantém conta no Twitter em homenagem aos pensadores liberais Alexis de Tocqueville e Max Weber. É autor do vol. 65 da coleção Perfis Parlamentares, dedicado ao homem das diretas-já!, Dante de Oliveira (Edições Câmara)

Nenhum comentário:

Postar um comentário