SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

"Braço Forte do Campo da Cidade e da Forquilha do Manso! Vereador Tito da Forquilha 14.123"

"Braço Forte do Campo da Cidade e da Forquilha do Manso! Vereador Tito da Forquilha 14.123"
"Juntos Somos Mais Fortes

sexta-feira, 27 de março de 2020

"CORONAVÍUS: Por que isolar grupos contra o novo coronavírus não é viável no Brasil"

Idosa em quarentenaPropagada por Bolsonaro, ideia tem encontrado eco entre empresários. Para cientistas, contexto brasileiro não possibilita isolamento apenas de grupos de risco ou modelo sul-coreano. Economistas também descartam medida.: Em alternativa à quarentena decretada em alguns estados para conter o avanço da pandemia do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro passou a defender o isolamento apenas de idosos e de grupos de risco.
Já economistas e investidores falam em aplicar o modelo sul-coreano de retiro parcial e testes massivos. Apesar de estarem ganhando mais adeptos no país, infectologistas e epidemiologistas descartam a aplicação destas medidas no contexto brasileiro.
Para justificar suas propostas, Bolsonaro, empresários e investidores alegam que o remédio receitado para combater o coronavírus – a quarentena de toda a população – pode ser pior que a própria doença. A ideia contraria, sobretudo, a recomendação da própria Organização Mundial de Saúde (OMS) e vai na contramão de medidas aplicadas em quase todo o mundo.
Os defensores desta ideia argumentam que pode haver exagero numa quarentena por mais de duas semanas, e que o abalo econômico pode ser mais amargo, além de afetar mais gente que a própria crise da saúde. Junior Durski, dono da rede de restaurantes Madero, é um desses críticos. Ele publicou um vídeo em que dizia: "não podemos [parar] por conta de 5 ou 7 mil pessoas que vão morrer". Depois, se desculpou.
As consequências econômicas do coronavírus são ainda imprevisíveis. Economistas falam num impacto global, no mínimo, tão grande quanto o da crise de 2008. Para o Brasil, que sofreu queda acumulada de 8% do Produto Interno Bruto (PIB) na última recessão e cresce em torno de 1% nos últimos três anos, com 41% de pessoas na informalidade, certamente será crítico. Em meados deste mês, o Credit Suisse cortou a projeção de crescimento do PIB brasileiro para zero em 2020.
Mas não é só a questão humanitária que representa um problema na ideia do isolamento apenas de idosos. "Como você faz uma quarentena isolando só idosos no Brasil? Nossos idosos moram com a família, com crianças e jovens. O presidente da República, para estarrecimento de todos que prezam pela ciência, falou em reabrir escolas. As crianças vão contrair o vírus na escola e vão levar para dentro de casa para contaminar os idosos", argumenta o ex-ministro da Saúde e pesquisador da Fiocruz José Gomes Temporão, que esteve à frente do combate à H1N1.
O professor titular de epidemiologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Roberto Medronho tem uma opinião semelhante. "É impraticável, teríamos que colocar os idosos separados das famílias, em hotéis, em qualquer opção desse tipo. Se o idoso ficar apenas sem sair de casa, vai ser contaminado pela família".
Especialistas ouvidos pela DW Brasil também são céticos em relação à aplicação do modelo sul-coreano no país. "A Coreia conseguiu testar grande parte da população. No caso do Brasil, e da China, não há essa capacidade, por serem países de dimensões continentais. E não tem nem como comprar tantos testes no mercado internacional", afirma o professor da Universidade Federal de Pelotas e doutor em epidemiologia Bruno Nunes.
Os especialistas destacam o contexto completamente diferente do país asiático diante do Brasil. Com 32 milhões de pessoas com mais de 60 anos, dimensões continentais e condições de habitação e socialização completamente diferentes das da Coreia do Sul, a comparação entre os dois países não faz sentido.
Além disso, Nunes lembra que com a contaminação atingindo áreas mais empobrecidas, onde várias pessoas dividem poucos cômodos, fica impraticável isolar grupos de risco. No Rio de Janeiro, por exemplo, um terço da população vive em comunidades.
De acordo com Temporão, o Brasil optou pelo isolamento social ainda no começo da contaminação e, se for possível manter dois meses ou mais de quarentena, o país pode ter um resultado positivo diante da crise. "Eu não conheço nenhum epidemiologista sério no Brasil que defenda esse posicionamento do presidente. Vemos uma pressão do empresariado, que não entende nada de saúde, numa situação muito delicada".
OMS recomenda isolamento social
O isolamento social é uma das recomendações da OMS para conter a pandeia, considerada inclusive a medida mais eficaz até agora. Um artigo científico publicado na revista Science sobre as restrições adotadas pela China pontua que "as medidas drásticas de controle" impostas no país asiático "atenuaram substancialmente a expansão da covid-19".
As evidências científicas mostram que o isolamento social tem o efeito de achatar a curva de infectados, isto é, fazer com que haja menos pessoas infectadas em um curto espaço de tempo, o que tenderia a sobrecarregar o sistema de saúde e elevar a letalidade. Ele foi adotado pela China, que superou a crise do novo coronavírus, e por países europeus, como França, Itália, Espanha e Alemanha.
"Se tivermos no Brasil o acúmulo de pacientes que tivemos no norte na Itália, que tivemos em Wuhan, que vamos ter em Nova York, teremos uma brutal hecatombe. Vamos ter pessoas morrendo não é nem dentro de hospital, será na rua, porque não vão conseguir nem entrar em hospital", avalia o professor de infectologia da UFRJ Celso Ramos.
Medronho explica ainda que o isolamento é importante para diminuir o chamado número de reprodução básico. Quando esse número é menor que um, a epidemia cessa. Quando está em 1,5, é considerada uma situação endêmica. "No Brasil, estudos que estamos fazendo nos mostram que está em torno de 5, outros pesquisadores, estimam 4,4", alerta, ao mostrar o alto índice de contágio do vírus no momento.
"No nosso país, temos muita gente com doenças crônico-degenerativas e os processos epidêmicos regularmente nos atingindo, o que faz com que tenhamos uma carga de adoecimento já elevada", acrescenta.
Mesmo economicamente, medida seria ruim
Para o professor Nelson Marconi, coordenador do Núcleo de Desenvolvimento da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV EAESP), nem mesmo economicamente faria sentido aliviar as restrições de forma prematura. "Vamos supor que os governos liberem ou reduzam o isolamento, a epidemia se agrava, e aí logicamente vai ter um problema social com impacto sobre o nível de atividade também. As pessoas vão se retrair de novo se aumentar o número de mortes, mas aí de forma desordenada. Não existe essa solução", diz.
Ele defende que o governo aumente o gasto público tanto para a saúde quanto para maior proteção social. Assim, age nas duas frentes necessárias para que os impactos, tanto sociais quanto econômicos, não sejam tão severos. É nesta direção que têm atuado os governos europeus, por exemplo. "O isolamento tem que acontecer, a questão é saber o que [o governo] precisa fazer para minimizar esse impacto".
O economista-chefe do Banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves, também acredita que é mais inteligente manter o isolamento social. "Se do ponto de vista médico é pior [não fazer quarentena], do ponto de vista econômico é pior, porque vai demorar mais para superar [a epidemia no país]. A informação que eu tenho é que quem tentou outro caminho, que foi a Europa no começo, perdeu tempo, perdeu vidas, e perdeu atividade econômica".
Reino Unido voltou atrás de quarentena parcial
O fundador do Centro de Prevenção de Doenças de Yale, David Katz, é um dos críticos do isolamento total da população. Com base em dados da Coreia do Sul, ele argumenta que 99% dos infectados sentem no máximo sintomas leves e não precisam de tratamento. E sugere concentrar testes em idosos.
Temporão, no entanto, discorda desta visão. "Claro que existem polêmicas e ninguém é dono da verdade. Mas o que chama a atenção é: o mundo todo neste momento opta pelo distanciamento social radical. Vacina só daqui a um ano, um ano e meio, e medicamentos ainda não temos", diz o ex-ministro da saúde.
Na semana passada, o premiê britânico, Boris Johnson, defendia um isolamento parcial da população. Nesta terça-feira, no entanto, voltou atrás diante da pressão da opinião pública e de cientistas, e acabou determinando a quarentena para todos.
Por enquanto, além de Bolsonaro, o único outro líder mundial que acena com o fim precoce da quarentena total é o presidente americano, Donald Trump, que falou na possibilidade de encerrá-la na Páscoa.
Larissa Linder/Caminho Político
Edição: Régis Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos