SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

Loja Oficial - Casa Prado

Loja Oficial - Casa Prado
Camisetas, Polos, Calças, Bermudas, Sapatos e Acessórios de Qualidade na Casa Prado!

domingo, 12 de abril de 2020

"A pandemia não é uma guerra", lembra presidente alemão

Chefe de Estado alemão, Frank-Walter SteinmeierEm discurso de Páscoa, social-democrata Frank-Walter Steinmeier elogia disciplina da população e urge a manter a solidariedade recém-aprendida. Pois se trata de um "teste de humanidade" e após a crise o mundo será outro. O presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, conclamou os cidadãos de seu país a paciência e disciplina, num discurso televisivo de Páscoa neste sábado (11/04).
Ele lembrou que não são apenas os políticos e especialistas a decidirem quando serão relaxadas as medidas restritivas pela crise do coronavírus, impostas desde meados de março, "mas nós todos temos isso nas mãos". "Justamente na Páscoa, a festa da Ressureição, quando os cristãos festejam a vitória da vida sobre a morte, temos que nos restringir, para que a doença e a morte não vençam a vida", alertou. E se deve manter a solicitude e solidariedade também após a crise. Como a pandemia é "um teste de nossa humanidade", "mostremos o melhor em nós! E mostremos também na Europa!", exortou.
"Tantos de vocês estão agora ultrapassando os próprios limites" reconheceu. Todos desejam normalidade, é clarom, mas isso não significa "voltar o mais depressa possível para o velho passo, os velhos hábitos": "O mundo será outro", portanto a questão é aprender com a situação extraordinária.
"Estamos agora numa encruzilhada", observou o político social-democrata. "Já durante a crise, despontam as duas direções que poderemos tomar": se cada vai agir por si mesmo, "enfiar os cotovelos, acumular víveres e cuidar para se dar bem"; ou se será preservado o recém-conquistado engajamento pelos outros e pela sociedade, "a criatividade e prestatividade que parecem explodir".
"Depois desta crise, seremos uma outra sociedade. Não queremos ser uma sociedade medrosa, desconfiada. Mas sim uma sociedade com mais confiança, mais consideração e mais firmeza."
A questão é, após a pandemia, ainda lembrar-se "o que o trabalho indispensável – nos cuidados de saúde, no abastecimento, nas profissões sociais, nas creches e escolas – realmente deve valer para nós", frisou Steinmeier. É também vital que "os que atravessam a crise bem, economicamente" ajudem "aqueles que sofreram uma queda especialmente dura" a se levantarem novamente.
Ao mesmo tempo, o chefe de Estado conclamou à solidariedade internacional, já que essa pandemia "não é uma guerra": "Nações não estão se erguendo contra nações, nem soldados contra soldados", então é preciso partilhar todo saber da pesquisa médica, e também disponibilizar vacinas e terapias aos habitantes dos países mais pobres.
"A pandemia nos mostra: sim, somos vulneráveis. Talvez tenhamos acreditado por tempo demasiado que éramos invulneráveis, que a coisa ia continuar sempre mais veloz, mais alto: isso foi um erro." Por outro lado, a situação também demonstra "como somos fortes" e "de que alicerces dispomos".
O presidente alemão se disse "profundamente impressionado com a façanha que nosso país realizou nas últimas semanas". Mas o perigo ainda não foi vencido: obedecendo às restrições radicais, cada um "salvou vidas humanas, e diariamente salva outras mais". É preciso que "se mantenha a confiança, pois os governantes federais e estaduais estão cientes de sua gigantesca responsabilidade".
"Nos próximos tempos, muita coisa certamente não será mais fácil", admitiu Steinmeier, concluindo o discurso. "Mas nós, alemães, também não procuramos sempre o que é mais fácil para nós. Exigimos muito de nós e esperamos muito, uns dos outros." Portanto, "podemos e podemos crescer, também nesta situação", assegurou.
AV/afp,rtr,epd/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos