SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

"Braço Forte do Campo da Cidade e da Forquilha do Manso! Vereador Tito da Forquilha 14.123"

"Braço Forte do Campo da Cidade e da Forquilha do Manso! Vereador Tito da Forquilha 14.123"
"Juntos Somos Mais Fortes

quinta-feira, 23 de abril de 2020

"COVID-19: Estado bom é o que age no tempo certo"

No campo político ideológico, um dos grandes embates entre esquerda e direita versa sobre o tamanho do Estado. Enquanto um lado defende um governo amplo, oferecendo uma série de serviços à população e uma atuação forte na vida de cada cidadão, o outro entende que o Estado tem que ser mínimo, focado apenas no essencial, deixando para a iniciativa privada o restante. Em muito pouco tempo, uma pandemia veio e mostrou que não há, em nenhum dos lados, a verdade absoluta. Ao invés de se discutir se o Estado deve ser mínimo, médio ou máximo, o avanço do coronavírus para todos os países do mundo demonstrou que é necessário um Estado que aja no momento certo, não importando se ele tem um viés de esquerda ou de direita. Em lugares em que o Poder Público agiu a tempo, os efeitos desta pandemia que irá mudar por completo o mundo em que vivemos foram menos sentidos do que em outros.
Há boas medidas e más medidas adotadas por gestores de todas as linhas ideológicas possíveis, até mesmo as mais absurdas, como os governos do Turcomenistão, Belarus e Nicarágua, que simplesmente negam a existência de um problema causado pelo coronavírus.
Entre o que podemos chamar de ação do Estado há procedimentos adotados nas mais diversas áreas de atuação. Não devemos, sob nenhuma hipótese, limitar este trabalho à área da Saúde, esquecendo-nos de todos os outros setores, como Economia, incluindo aqui indústria e comércio, Educação, Infraestrutura, Agricultura e tantos outros.
Um Estado agindo no tempo certo determina medidas que visem mitigar a curva de crescimento, incrementa a capacidade da rede de hospitais, coloca dinheiro nas mãos daqueles que, de uma hora para outra, perderam seu sustento, ajuda as empresas que de repente deixaram de funcionar, mantém abertas linhas para o envio de suprimentos, alimentos, profissionais, enfim, atua de forma multisetorial, equilibrando todas as áreas.
A hora exata e a amplitude das medidas tomadas são os dois fatores que precisam ser levadas em consideração pelos gestores públicos. Uma medida radical demais, ou branda demais, pode desequilibrar toda a cadeia de ações, causando danos irreversíveis, uma vez que estamos tratando de vidas e mortes.
Por tudo isso, a pandemia deixará, quando passar, e ela vai passar, duas importantes lições. A primeira delas é a de que precisaremos repensar uma série de questões, como a inclusão nas áreas estratégicas de setores que ao longo dos anos foram relegados à segundo plano e que se mostraram muito importantes nesta corrida contra o tempo e pela vida.
A segunda, tão importante quanto a primeira, é a de que, independentemente da ideologia, esquerda, direita, liberal, conservador, progressista, o que difere bons e maus gestores é a capacidade que eles possuem em tomar medidas no momento certo e na intensidade adequada.
Fábio de Oliveira é advogado, contador e mestre em ciências contábeis

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos