SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

Loja Oficial - Casa Prado

Loja Oficial - Casa Prado
Camisetas, Polos, Calças, Bermudas, Sapatos e Acessórios de Qualidade na Casa Prado!

sexta-feira, 29 de maio de 2020

"SISTEMA URINÁRIO: Urologista Newton Tafuri diz que infecção urinária atinge mais mulheres e pontua sintomas"


Mulheres são mais propensas a desenvolver a infecção, inclusive por conta da anatomia do corpo feminino. A infecção no trato urinário (ITU) é mais propensa em mulheres. Entre os principais sintomas estão a ardência ao urinar, urgência e aumento da frequência urinária. De acordo com o urologista Newton Tafuri, de Cuiabá (MT), este é um problema causado pela presença de um agente infeccioso na urina. Caso ela atinja somente o trato urinário baixo, ela é chamada de cistite e apresenta, geralmente, como sintomas dores ao urinar, aumento da frequência do desejo e urgência para urinar. 


“Geralmente, nesse caso, o paciente não tem febre. Ele pode apresentar alteração no odor, aspecto e cor da urina”, explica Tafuri. 
Quando a infecção também afeta o trato urinário superior, ela é chamada de pielonefrite que pode ou não se desenvolver após um caso de cistite. Newton Tafuri explica que o paciente pode ter febre frequentemente alta, acima de 38°C, com calafrios e dor lombar, mialgia, mal estar geral. Esses são sintomas da maioria dos casos. 
A causa da infecção geralmente é bacteriana, podendo também ser causada por fungos. Quando eles entram no trato urinário, pela uretra, começam a se multiplicar na bexiga.
 “As mulheres estão mais propensas a desenvolver cistite porque há uma curta distância da uretra ao ânus e a abertura uretral à bexiga”, acrescenta. 
Alguns fatores podem contribuir. O urologista cita a menopausa, higienização íntima inadequada antes e após o ato sexual, cálculo renal, alteração na próstata, histórico de procedimentos urológicos, e de uso recente de sonda vesical.
Gestantes, diabéticos e pacientes submetidos a procedimentos urológicos podem ter complicações em casos de infecção urinária. 
“Se não for tratada adequadamente, o paciente com cistite pode fazer o quadro evoluir para pielonefrite, que por se mais grave pode levar à sepse e óbito”, diz Tafuri. 
O urologista indica que o paciente ingira bastante água, não demore a urinar, em caso de vontade, urine e faça higiene após a relação sexual, lave as mãos ao utilizar o banheiro e não tome medicação por conta própria. Um especialista sempre deve ser procurado.
Sandra Carvalho/Caminho Político

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos