Complexo Hospitalar de Cuiabá

Complexo Hospitalar de Cuiabá
CENTRAL DE ATENDIMENTO 55 65 3051-3000

Águas Cuiabá

Águas Cuiabá
Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé Av. Gonçalo Antunes de Barros, 3196 - Carumbé 78050-667 - Cuiabá / MT 0800 646 6115

Prefeitura de Várzea Grande

Prefeitura de Várzea Grande
AV. CASTELO BRANCO, 2500 - CENTRO SUL, VÁRZEA GRANDE

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf

Tribunal de Contas de Mato Grosso - Presidente Dr. Guilherme Maluf
Rua Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, - Ed. Marechal Rondon - Centro Político Administrativo - Cuiabá-MT

quarta-feira, 20 de maio de 2020

"Supermercados britânicos ameaçam boicotar Brasil por "MP da grilagem"

Logo da rede de supermercados britânica TescoEm carta aberta aos parlamentares em Brasília, Tesco, Sainsbury's, Morrisons, Marks & Spencer e outros afirmam que podem não comprar mais do Brasil se polêmica lei de regularização fundiária for aprovada.As principais redes de supermercados do Reino Unido ameaçaram nesta quarta-feira (20/05) boicotar produtos brasileiros se o Congresso Nacional aprovar a polêmica lei de regularização fundiária, conhecida como "MP da grilagem" e recentemente convertida em projeto de lei. Em carta aberta aos senadores e deputados em Brasília, os cerca de 40 signatários afirmam estar profundamente preocupados com a medida provisória editada pelo presidente Jair Bolsonaro no fim de 2019 e que poderá ser votada ainda nesta quarta-feira.
Assinam a carta algumas das redes de supermercados mais importantes do Reino Unido, como Tesco, Sainsbury's, Morrisons e Marks & Spencer, além da rede Burger King, do fundo público de pensões sueco AP7 e de outras empresas de gestão de investimentos.
"Se a medida for adotada, isso fomentaria ainda mais a apropriação de terras e o desmatamento em grande escala, o que colocaria em risco a sobrevivência da Amazônia" e os objetivos climáticos do Acordo de Paris, afirmam os signatários.
"Acreditamos que também colocaria em risco a capacidade de empresas como as nossas de seguir comprando do Brasil", acrescentam.
À época da publicação da medida, governo e entidades do agronegócio afirmaram que ela aceleraria a concessão de títulos para pessoas que já estão nas terras e que, segundo eles, poderiam produzir mais, com mais acesso a crédito. Mas, para ONGs e instituições ambientalistas, as regras premiam quem invadiu e derrubou florestas ilegalmente em áreas públicas.
Há cerca de uma semana, a MP 910 foi transformada em projeto de lei pelo deputado Zé Silva (Solidariedade-MG) e poderá ser votada ainda nesta quarta-feira. Apesar de alterações, ambientalistas afirmam que a essência do projeto continua sendo a mesma.
AS/afp/rtr/ots/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos