SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

terça-feira, 16 de junho de 2020

"Coreia do Norte explode escritório de ligação com a Coreia do Sul"

Fumaça sobre o complexo industrial em Kaeson, onde se localizava o escritório de intermediação entre as duas CoreiasGesto simboliza rompimento de Pyongyang com Seul e expressa frustração com fracasso da reaproximação e com a manutenção de sanções internacionais. Irmã de Kim Jong-un havia alertado para "cena trágica" de destruição.Em um gesto dramático de rompimento de suas relações com a Coreia do Sul, a Coreia do Norte explodiu nesta terça-feira (16/06) o escritório de
intermediação entre os dois países em Kaesong, próximo à fronteira, elevando as tensões na Península da Coreia e minando os esforços recentes de reaproximação entre as duas nações. A explosão do edifício foi confirmada pelo Ministério da Unificação em Seul. Imagens divulgadas pela agência de notícias sul-coreana Yonhap mostram uma fumaça se erguendo do que seria um complexo de edifícios em uma área que faz parte de um parque industrial desativado, onde se localizava o escritório ide intermediação.Pyongyang ameaçara demolir o local ao expressar descontentamento com o fracasso do país vizinho em impedir que ativistas enviassem panfletos de propaganda através da fronteira.
O país também vinha manifestando sua frustração com o fracasso das negociações com Seul e Washington e das tentativas de persuadir o governo americano a aliviar as pesadas sanções contra a Coreia do Norte. O regime também viu frustradas suas ambições de reavivar projetos econômicos com o sul.
No último sábado, Kim Yo-jong, a influente irmã do líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, alertou que Seul testemunharia em breve "uma cena trágica do inútil escritório de intermediação Norte-Sul sendo completamente destruído", como uma forma de retaliação dos militares norte-coreanos contra a Coreia do Sul.
Líder coreano, Kim Jong-un, ao lado de sua influente irmã mais nova, Kim Yo-jongA irmã mais nova do líder norte-coreano e vice-diretora do Departamento da Frente Unida (um poderoso organismo do partido único que gere as relações com o sul) vinha defendendo a ruptura com o país vizinho e autorizou o Exército a tomar as medidas necessárias.
"Acho que é hora de romper com as autoridades sul-coreanas", disse Kim Yo-jong, citada pela agência de notícias estatal KCNA. Com a aprovação de seu irmão, do partido e do Estado, ela disse haver instruído as autoridades encarregadas de "assuntos com o inimigo a tomar a próxima ação".O primeiro escritório de ligação entre os dois países foi aberto em 2018 com o objetivo de melhorar as comunicações, abaladas desde a divisão da Península Coreana após a Guerra da Coreia. Os dois lados estão tecnicamente em guerra desde o fim do conflito, encerrado apenas com um armistício em 1953, sem que fosse substituído por um tratado de paz.
As relações bilaterais pareciam florescer com a abertura do escritório e uma série de medidas de reaproximação, depois de Coreia do Norte aceitar negociar sobre o seu programa de armas nucleares em troca do alívio das sanções internacionais. A aproximação do país com o Ocidente culminou com o encontro entre Kim Jong-un e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em Cingapura, em junho de 2018.
Entretanto, as negociações envolvendo o programa nuclear de Pyongyang estão travadas desde o colapso da segunda reunião entre os dois líderes em Hanói, no Vietnã, no início do ano passado. O impasse deixou os norte-coreanos frustrados com a falta de concessões.
Os encontros de cúpula entre os líderes das duas Coreias, num dos quais Kim e o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, cruzaram simbolicamente de mãos dadas a linha de fronteira entre os dois países, tiveram pouco ou nenhum resultado. Pyongyang indicou que não teria a intenção de aceitar algumas exigências dos EUA e da Coreia do Sul, como o abandono de suas ambições nucleares.
Desde então, a Coreia do Norte vem adotando uma postura cada vez mais crítica a Seul e Washington e realizou nos últimos meses uma série de testes de mísseis. Observadores avaliam que o regime falhou em adotar medidas substanciais rumo ao desmantelamento de seu programa nuclear, o que era a principal reivindicação dos americanos para negociar o alívio das sanções.
No mês passado, soldados de ambos os lados trocaram tiros na zona desmilitarizada na fronteira que divide a península. Pyongyang acusa Seul de provocar o incidente, que agravou ainda mais as tensões.
Recentemente, as Forças Armadas da Coreia do Norte ameaçaram tomar a zona desmilitarizada. O Estado-Maior do Exército Popular da Coreia disse que avalia uma recomendação dos líderes do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte para avançar sobre as áreas de fronteira não especificadas, o que "transformaria a linha da frente numa fortaleza". Pyongyang ameaçou ainda abandonar um acordo militar bilateral de 2018 que visa reduzir as tensões na fronteira.
RC/efe/lusa/dpa/cp

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos