DIRETO DA VENEZUELA

DIRETO DA VENEZUELA
Tweets por ‎@infoenlaceweb INSTAGRAM @INFOENLACEWEB

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Endereço: Av. André Maggi, 6 - Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

quarta-feira, 16 de setembro de 2020

"O cartão vermelho de Bolsonaro para Paulo Guedes"

Presidente Jair Bolsonaro e ministro Paulo GuedesPresidente não está disposto a pagar o preço político de financiar um novo programa social: para ele, só a reeleição conta. E o ministro da Economia, cada vez mais incômodo, tem os dias contados, opina Alexander Busch. Não foi um discurso improvisado ou um comentário à queima-roupa: não, na declaração cuidadosamente gravada em vídeo, divulgada nesta terça-feira (15/09), o
presidente Jair Bolsonaro pretendeu deixar bem claro o que quer: ele ameaça com o cartão vermelho qualquer um em seu governo que sequer mencione o planejado programa para unificação dos benefícios sociais: "Até 2022, no meu governo, está proibida a palavra Renda Brasil. Vamos continuar com o Bolsa Família. E ponto final." À primeira vista, essa desajeitada ação parece surpreendente: pois foi justamente com os benefícios socias durante a pandemia, desde março, que o presidente conseguiu ganhar popularidade tanto entre a maioria pobre da população quanto no Nordeste.
No momento, a aprovação de Bolsonaro é a mais alta de seus 19 meses de mandato. O Renda Brasil deveria substituir o Bolsa Família, dando assistência aos pobres a partir do início de 2021, quando terminam as ajudas sociais para enfrentar a pandemia de covid-19.
Mas isso agora é coisa do passado. Em vez disso, o Bolsa Família será ampliado para atender a 15 milhões de famílias no próximo ano. O Renda Brasil se dirigiria a cerca de 21 milhões de famílias.
A súbita mudança de curso se explica pelas dificuldades políticas que o financiamento do programa acarretaria. Os gastos orçamentários são limitados pelo chamado teto de gastos, e se o presidente quiser dedicar mais verbas aos pobres, terá que cortar em outra parte.
Então o ministro da Economia, Paulo Guedes, deu a gloriosa sugestão de que as aposentadorias e o salário mínimo não sejam reajustados à inflação. Assim se economizariam os 20 bilhões de reais necessários ao Renda Brasil. Mas Bolsonaro explicou que não vai "tirar dos pobres para dar aos paupérrimos".
Nisso ele tem razão: 50 milhões de brasileiros seriam atingidos pelas medidas de contenção. E, com sua reforma da Previdência, ele já perdeu as simpatias dos aposentados. Com tais transferências de verbas, a popularidade dele entre os pobres teria sofrido duramente.
Ao mesmo tempo, o chefe de Estado brasileiro não se arrisca a impor cortes aos privilegiados do país. Ele simplesmente não quer pagar o preço político das reformas. E se decidiu... a não decidir nada. Ele espera que baste fazer de conta que não vê a crise, até o dia das eleições.
E Paulo Guedes? Atualmente, só está atrapalhando a campanha de reeleição permanente do presidente. Ele não se cansa de intervir com sugestões socialmente insensíveis, briga o tempo todo com o Congresso e não propõe pacotes de reformas convincentes.
O "superministro", o "Posto Ipiranga" se transformou em mero assessor, um prestador de serviços cuja tarefa é fazer o que o presidente manda, nada mais. O cartão vermelho a que Bolsonaro aludiu no vídeo era para Guedes.
Mais uma vez, contudo, o ministro da Economia não entendeu os sinais dos tempos.
Alexander Busch/Caminho Político
Caminho Politico #caminhopolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos