SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

terça-feira, 8 de setembro de 2020

"PORTUGAL: A estratégia nacional contra a corrupção"

Menezes Leitão eleito Bastonário da Ordem dos Advogados | Advogar | Direito  & AdvocaciaParece-nos que a anunciada Estratégia Nacional de Combate à Corrupção fica muito aquém dos objectivos traçados há dez meses e adopta soluções totalmente inadequadas a esse combate e à matriz do processo penal português. No dia 5 de Dezembro de 2019, o Governo anunciou a criação de um grupo de trabalho, na dependência da ministra da Justiça, para a definição de “uma estratégia nacional, global e integrada de combate à corrupção, que compreenda os momentos da prevenção e da repressão, e que envolva a participação de diferentes entidades e profissionais”. O referido grupo de trabalho deveria desenvolver os objectivos do programa do Governo, que passavam por: “- instituir um relatório nacional anticorrupção; - avaliar a permeabilidade das leis aos riscos de fraude; - diminuir as complexidades legais e a carga burocrática; - obrigar as entidades administrativas a aderir a um código de conduta ou a adoptar códigos de conduta próprios; - dotar algumas entidades administrativas de um departamento de controlo interno que assegure a transparência e imparcialidade dos procedimentos e decisões; - melhorar os processos de contratação pública; - reforçar a transparência das contas dos partidos políticos; - e obrigar as médias e grandes empresas a disporem de planos de prevenção de riscos de corrupção e infracções conexas”.
Passados cerca de dez meses, foram anunciados pela ministra da Justiça, no passado dia 3 de Setembro, os resultados do grupo de trabalho, que colocou à discussão pública. Não foi, no entanto, apresentado qualquer anteprojecto de diploma, sem o que é manifestamente inviável a sua discussão pública. Desse anúncio resultaram apenas algumas propostas vagas e até menos concretas do que o anúncio inicial. Especificamente, o relatório nacional anticorrupção foi substituído por “produzir e divulgar periodicamente informação fiável sobre o fenómeno da corrupção”. As exigências de um departamento de controlo interno e códigos de conduta próprios nas entidades administrativas e de planos de prevenção dos riscos nas grandes empresas passaram a ser “desenvolver um regime geral de prevenção da corrupção que inclua a implementação, dentro da administração pública e das médias e grandes empresas, de programas vocacionados para a prevenção e detecção de práticas ilícitas”. E desapareceu qualquer referência ao reforço da transparência das contas dos partidos políticos, uma medida essencial neste domínio.
Em contrapartida, foram anunciadas duas medidas absolutamente perniciosas. Uma delas foi a indicação de que poderia ser adoptado um regime de delação premiada, levando a que corruptos que denunciassem outros corruptos, por acordo com o Ministério Público, pudessem ser isentos de pena ou ver a sua pena reduzida, estando o juiz obrigado a aceitar o acordo. Tal implica uma clara subversão da matriz constitucional do nosso processo penal, que passaria a ser um processo penal de acordos, como sucede no direito norte-americano, em lugar de assentar em julgamentos e na demonstração da culpa dos arguidos. Dessa forma, as penas deixariam de ser aplicáveis aos principais responsáveis pelo crime, bastando que estes confessassem primeiro, acabando assim a justiça por não tocar nos poderosos e bastar-se apenas com a condenação de bodes expiatórios.
Da mesma forma, foi anunciada a criação de um “Mecanismo Anticorrupção, com poderes de iniciativa, controlo e sancionamento e com atribuições ao nível da recolha e tratamento de informação e da organização de programas de atividades entre entidades públicas e entidades privadas relacionados com a corrupção”. Parece, assim, que o Governo quer recuperar a extinta Alta Autoridade contra a Corrupção, que funcionou entre 1983 e 1993 e se caracterizou pela sua total ineficácia. Efectivamente, a corrupção é um crime, pelo que o combate à mesma não se faz com a criação de novas entidades administrativas, mas sim com o reforço dos quadros dos órgãos de investigação criminal e dos magistrados, o que deveria ser, por isso, a principal medida a anunciar numa estratégia de combate à corrupção.
Parece-nos, assim, que a anunciada Estratégia Nacional de Combate à Corrupção fica muito aquém dos objectivos traçados há dez meses e adopta soluções totalmente inadequadas a esse combate e à matriz do processo penal português. Aguardamos, no entanto, pela apresentação das propostas legislativas correspondentes, sem o que não existirá qualquer discussão pública digna desse nome.
Luís Menezes Leitão
Professor da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa
Escreve à terça-feira, sem adopção das regras do acordo ortográfico de 1990
Caminho Politico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos