SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

quarta-feira, 28 de outubro de 2020

"ELEIÇÕES NOS EUA: Votos antecipados nos EUA já são mais da metade do total de 2016"

Setenta milhões de eleitores americanos já votaram, indicando que participação no pleito presidencial será alta. Votação é especialmente elevada em estados disputados acirradamente por Trump e Biden. A uma semana da eleição presidencial nos Estados Unidos, mais de 70 milhões dos mais de 230 milhões de eleitores já votaram, sendo quase 48 milhões por correspondência e os demais, por voto presencial antecipado.
O número é recorde e também equivale a mais da metade de todos os votos na eleição de quatro anos atrás. Em 2016, cerca de 138 milhões de eleitores votaram, segundo a autoridade eleitoral. Por causa da pandemia do novo coronavírus, já se esperava que, neste ano, muitos eleitores fizessem uso da opção de votar antecipadamente.
A participação é especialmente elevada no Texas (7,8 milhões), na Flórida (6,4 milhões) e na Carolina do Norte (3,4 milhões), três estados que estão sendo disputados acirradamente pelos dois principais candidatos, o presidente Donald Trump e o democrata Joe Biden. No Texas, a participação atual já representa 87% do total de quatro anos atrás.
A Califórnia, tradicional bastião democrata, também está entre os estados onde mais eleitores já votaram (7,9 milhões).
Biden concentra esforços em estados republicanos
Biden, que lidera com larga folga nas pesquisas eleitorais, têm concentrado sua campanha nos últimos dias em estados que normalmente são tidos como certos para os republicanos.
É o caso da Geórgia, estado conservador do sul que não apoia um candidato presidencial democrata desde 1992 e onde Biden concentrou nesta terça-feira a sua agenda de campanha.
Ainda nesta semana, o democrata pretende viajar para o Iowa, estado que Trump conquistou com vantagem de dez pontos percentuais nas presidenciais de 2016. A companheira de Biden na corrida à Casa Branca, a senadora e candidata à vice-presidência Kamala Harris, concentra os esforços da campanha democrata no Arizona e no Texas, onde os republicanos não perdem nenhum cargo desde 1994, naquela que é a mais longa série de vitórias políticas no país.
Este calendário agressivo em estados fortemente associados ao Grand Old Party (GOP), nome pelo qual também é conhecido o Partido Republicano, está sendo encarado como um sinal de confiança por parte da campanha de Biden, que tenta ampliar o mapa eleitoral dos democratas.
O vencedor da eleição presidencial dos Estados Unidos (que é escolhido por voto indireto) tem de assegurar, no mínimo, 270 dos 538 delegados que compõem o colégio eleitoral.Outro trunfo da campanha de Biden é a entrada, nesta reta final, do ex-presidente Barack Obama. Na Flórida, Obama reiterou que as eleições de 3 de novembro "são as mais importantes" na vida dos americanos e apelou aos democratas para votarem em massa.
"Este presidente reclama para si todo o crédito por uma economia que herdou, e rejeita qualquer responsabilidade por uma pandemia que ignorou", afirmou Obama em Orlando, durante um comício num estacionamento, com os participantes em seus veículos.
Ritmo frenético na campanha de Trump
Do lado da campanha de Trump, o ritmo é frenético, com eventos em vários estados no mesmo dia, numa tentativa de reverter a vantagem de Biden nas pesquisas.
Só nesta terça-feira, a agenda da campanha de Trump passou pelas cidades de Washington e Las Vegas e pelos estados do Michigan, Wisconsin e Nebraska, todos localizados na região conhecida como Midwest (Meio-oeste).
Esse calendário espelha um contra-ataque da campanha de Trump, concentrada em estados que são tradicionalmente democratas.
A primeira-dama, Melania Trump, participou de um ato de campanha num estado igualmente disputado, a Pensilvânia, onde buscou o voto das mulheres. Foi a primeira participação dela depois do diagnóstico de covid-19.
AS/lusa/ard/cp
@caminhopolitico #caminhopolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos