SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI

A STELMAT visa o fortalecimento dos negócios em governança de TI
Av. Isaac Póvoas, 927, Bairro Goiabeiras

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

domingo, 8 de novembro de 2020

Cinco anos após o crime da Vale em Mariana (MG), os atingidos pelo desastre na bacia do Rio Doce continuam sua luta por reparação e reconhecimento de seus direitos.

Em diversas cidades de Minas Gerais e no Espírito Santo, atingidos saíram às ruas para pedir justiça após meia década sem reparação; projeções foram realizadas em capitais de outros estados. Para marcar a data de 5 anos de injustiça na bacia do rio Doce, atingidos por barragens de Minas Gerais e do Espírito Santo organizaram protestos que denunciaram a falta de reparação para a população afetada pelo crime com o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana.
Logo cedo, dezenas de atingidos pelo crime da Vale em Brumadinho prestaram solidariedade com o fechamento de estradas nas cidades de Betim e São Joaquim de Bicas, na bacia do rio Paraopeba. Eles também cobram participação popular no acordo proposto pelo Estado para a mineradora sobre o crime que já vai completar dois anos em janeiro do ano que vem.
Durante a manhã, também houve uma ação simbólica do Movimento dos Atingidos por Barragens no distrito de Bento Rodrigues, local que ficou debaixo de lama após o crime da Samarco, Vale e BHP Billiton.
Os manifestantes colocaram faixas em alguns pontos com mensagens sobre a necessidade da construção de moradias dignas, e lembraram pedidos para que a esfera judicial não fique alinhada às empresas, mas sim atenda os interesses das pessoas que perderam suas casas, os empregos, e sofrem com desabastecimento de água limpa, problemas de saúde e aumento da violência por conta do maior crime ambiental brasileiro.
Atingidos do bairro Gesteira, em Barra Longa, que viram a realidade da região mudar drasticamente após o crime, cobraram reparação dos danos causados nas vidas das famílias em uma caminhada. A maior parte da população da localidade, assim como em outros pontos da bacia do rio Doce, nem mesmo tiveram o reconhecimento da empresa.
No final da tarde, houve um ato no centro da cidade de Ipatinga e uma apresentação cultural no centro da cidade de Mariana, em Minas Gerais, em memória das vítimas.
No Espírito Santo, também houve luta. Centenas de manifestantes estiveram na praia, em Regência, para lembrar o crime e pedir por justiça. O litoral capixaba foi extremamente atingido e, até hoje, pescadores, agricultores e toda a população da região sofrem os impactos ambientais e sociais do rompimento da barragem.
Outros estados também se engajaram na divulgação da data que marca meia década do crime, como foi o caso do Rio de Janeiro, onde houve panfletagem em diversos pontos da região central em uma ação conjunta da Frente Brasil Popular com a POCAE – Plataforma Operária e Camponesa de Água e Energia.
Movimento dos Atingidos por Barragens
Caminho Politico #caminhopolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos