SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

segunda-feira, 23 de novembro de 2020

Risco de Brasil perder 6 milhões de testes para identificar Covid-19 causa indignação

Membro
da Comissão Especial, senador quer explicações de autoridades governamentais diante de revelações da imprensa. O Brasil corre o risco de perder 6 milhões e 680 mil de testes para o diagnóstico do novo coronavírus comprados pelo Ministério da Saúde, o chamado RT-PCR, por conta da data de validade. A revelação publicada neste domingo, 22, pelo jornal ‘O Estado de São Paulo’ causou indignação e perplexibilidade. “Fiquei estarrecido” – reagiu o senador Wellington Fagundes (PL-MT), membro da Comissão Especial da Covid-19. Fagundes anunciou que ingressará com requerimento junto à Comissão pedindo esclarecimentos por parte das autoridades sobre esse evento. “É inadmissível que isso esteja acontecendo, sobretudo diante de um quadro tão grave como o que estamos enfrentando, com milhões de casos e milhares de mortes” – frisou, em mensagem nas redes sociais.
Para o senador, se faz necessário que os responsáveis ‘apresentem respostas robustas’ para a situação exposta pela imprensa, neste domingo. Segundo ele, é preciso saber porque o Ministério da Saúde não consegue distribuir os testes aos Estados e municípios, causando enormes prejuízos à população. “Está errado, isso não pode acontecer. E pelo visto está acontecendo” – frisou.
Especialistas dizem que o teste não serve só para diagnóstico. É essencial na interrupção de cadeias de infecção. “Sem testagem, as ações de combate a pandemia ficam mais complicadas, difíceis de serem adotadas medidas eficazes” - observou o parlamentar.
A permanecer a situação, o Brasil pode acabar descartando mais exames do que já realizou até agora. Ao todo, segundo ‘O Estado de São Paulo’, a Saúde investiu R$ 764,5 milhões em testes e as unidades para vencer custaram R$ 290 milhões – o lote encalhado tem validade de oito meses.
O RT-PCR é um dos exames mais eficazes para diagnosticar a covid-19. A coleta é feita por meio de um cotonete aplicado na região nasal e faríngea (a região da garganta logo atrás do nariz e da boca) do paciente. Na rede privada, o exame custa de R$ 290 a R$ 400. As evidências de falhas de planejamento e logística no setor ocorrem num período de aumento dos casos no País.
Segundo o jornal, os exames estão estocados em um armazém do Governo Federal em Guarulhos e, não foram distribuídos para a rede pública. A quantidade estocada é maior do que  o SUS aplicou em testes a população. “Ou seja, o País pode acabar descartando mais exames do que já realizou até agora” – informa o jornal. Ao todo, a Saúde investiu R$ 764,5 milhões em testes e as unidades para vencer custaram R$ 290 milhões – o lote encalhado tem validade de oito meses.
No requerimento a ser protocolado na próxima segunda-feira junto à Comissão Especial da Covid, entre outros, Fagundes disse que é preciso saber o que de fato está acontecendo e avançar sobre outras questões. Ele se disse preocupado, por exemplo, sobre o andamento de um planejamento para quando os laboratórios estiverem aptos a entregar a vacina à população.
O Brasil já ultrapassou a 6 milhões de casos diagnosticados da COvid-19. Desses, 169 mil resultaram em mortes. Em Mato Grosso, foram 143 mil casos, com 3,7 mil óbitos.
Da assessoria
Foto: Agência Senado

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos