PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

CRECI-MT

sexta-feira, 11 de dezembro de 2020

Câmara da Argentina aprova legalização do aborto

Projeto de lei que prevê o acesso legal à prática até a 14ª semana de gestação segue agora para o Senado. País pode se tornar um dos únicos da América Latina a legalizar a interrupção da gravidez.A Câmara dos Deputados da Argentina aprovou na manhã desta sexta-feira (11/12) um projeto de lei que legaliza o aborto até a 14ª semana de gestação. O texto segue agora para debate e votação no Senado, que há dois anos rejeitou uma iniciativa semelhante.
O projeto, apresentado pelo governo do presidente Alberto Fernández, recebeu 131 votos a favor e 117 contra, e seis deputados se abstiveram.
Durante a sessão na Câmara, que durou 20 horas, grupos defensores e opositores ao projeto se manifestavam no entorno do Congresso, em Buenos Aires.
Ao ritmo de tambores e em clima de festa, milhares de mulheres com lenços verdes – símbolo da campanha a favor da legalização do aborto no país – fizeram vigília nas imediações do Congresso. Separadas apenas por uma cerca estavam manifestantes com lenços azuis, que se opõem à legalização do aborto na terra natal do papa Francisco.
O projeto aprovado pelos deputados autoriza a objeção de consciência pelos médicos – e de estabelecimentos de saúde – que não desejarem realizar o aborto, desde que encaminhem as pacientes com agilidade para outros profissionais que possam assumir o procedimento.
Atualmente vigora na Argentina uma legislação de 1921, pela qual só é permitido abortar legalmente se a mulher tiver sofrido abuso sexual ou correr o risco de morrer.
A legalização do aborto foi debatida pela primeira vez no Parlamento argentino em 2018, durante o governo do liberal Mauricio Macri. Na ocasião, a iniciativa foi aprovada pelos deputados, mas rejeitada no Senado, em meio a grandes manifestações organizadas por mulheres.
Na sessão na Câmara desta quinta-feira, a deputada Ana Carolina Gaillard, da coalizão governista Frente de Todos, destacou que "o debate não é sobre 'aborto sim ou aborto não', mas sobre aborto seguro ou inseguro".
Resistência no Senado
Fernández, peronista de centro-esquerda, apresentou neste ano a iniciativa Interrupção Voluntária da Gravidez (IVE) como uma forma de "garantir a todas as mulheres o direito à saúde integral".
Em sua campanha eleitoral, o presidente havia se manifestado em defesa da legalização da prática para que se reduzam os abortos clandestinos, que colocam a vida das mulheres em risco.
Segundo dados citados pelo presidente argentino, cerca de 3 mil mulheres morreram em decorrência de intervenções cirúrgicas clandestinas para interrupções de gravidez desde 1983. "Eu sou católico, mas tenho que legislar para todos. Trata-se de um problema de saúde pública muito sério", declarou Fernández na quinta-feira.
Especialistas em saúde estimam que ocorram entre 370 mil e 520 mil abortos clandestinos apor ano na Argentina, com 39 mil hospitalizações anuais em centros públicos de saúde.
O novo projeto, contudo, pode ter dificuldades em avançar no Senado, que tem perfil mais conservador, mesmo com o governo tendo maioria absoluta, já que os principais grupos políticos da Argentina estão divididos.
"O aborto é a clara emergência da falta de educação, das oportunidades, das desigualdades e da violência contra as mulheres. Ao invés de resolver as causas, propomos que permaneça na esfera privada resolver o problema, a oferecendo como única solução tirar a vida do filho", criticou Graciela Camaño, da aliança Consenso Federal, setor peronista que não apoiou Fernández na eleição.
O aborto pelo mundo
Mundo afora, o aborto é legal em boa parte dos países europeus, como Portugal, Espanha, França e Alemanha, além de Canadá, China, Coreia do Norte, Nova Zelândia, África do Sul, Turquia e Uzbequistão, entre outros.
Se o Senado aprovar a medida, a Argentina se juntará a Cuba, Uruguai e Guiana como países que permitem o aborto na América Latina. A prática também é legal na Cidade do México.
"O aborto é legal em países de primeiro mundo e em outros países desenvolvidos com forte religiosidade, como Itália, Espanha e Irlanda. Agora estamos avançando na Argentina. Se este fosse um problema masculino, já teria sido resolvido há muito tempo", disse o ministro da Saúde da Argentina, Ginés González García, em entrevista televisiva.
No Brasil, o aborto provocado é crime. Apenas em três situações específicas não é punível pela lei: para salvar a vida da mulher, quando a gestação é resultado de um estupro ou se o feto for anencefálico.
PV/efe/afp/cp
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos