SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19

SENADO FEDERAL CONTRA A COVID-19
Acompanhe os números de evolução da doença pelo painel do Ministério da Saúde

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS

TRANSPARÊNCIA CORONAVÍRUS
Praça Alencastro, nº 158 - Centro

quinta-feira, 17 de dezembro de 2020

Ribeirinhos e trabalhadores relatam avanço na preservação do Rio Cuiabá com a Balsa Ecológica

O equipamento chega a retirar uma média mensal de 10 toneladas de lixo do rio.
O serviço de coleta fluvial foi implantado em junho de 2019 com a missão de contribuir para a limpeza e preservação do Rio Cuiabá. Executado por meio da Balsa Ecológica, a ação chega a retirar uma média mensal de 10 toneladas de lixo, somando os materiais recolhidos tanto na margem quanto no leito. O número é avaliado como positivo pela Prefeitura de Cuiabá e, conforme relato de ribeirinhos e trabalhadores da coleta, se confirma na prática.
O equipamento possui mais de 7 metros de comprimento, 3 metros de largura, e percorre diariamente um trecho de aproximadamente cinco quilômetros situado entre a Ponte Nova e a comunidade São Gonçalo Beira Rio. A equipe de operação é formada por três pessoas e uma delas é o coletor Bruno José Monteiro da Silva. Bruno destaca que essa é uma das melhores atividades ligadas a área de limpeza já implantada na Capital.
Segundo ele, antes de fazer parte da equipe, sua visão era de um rio extremamente poluído e de difícil recuperação. Todavia, ressalta que agora essa situação está começando a mudar, por conta da Balsa Ecológica. Apesar de ainda estar longe do ideal, Bruno considera que o fato da iniciativa conseguir alcançar todos os lugares do rio cria um sentimento de esperança em vê-lo cada vez mais limpo.
“Quando chove aparece uma maior quantidade de lixo e o nosso trabalho é ainda mais intenso. Normalmente, recolhemos muito isopor, garrafas, latas e até animais mortos. Infelizmente, encontramos muitas coisas que não eram para estar no rio. É importante que esse cuidado não exista só da nossa parte, que temos essa função, mas também que outras pessoas ajudem a manter o rio limpo”, comenta o coletor.
Isaias José de Campos é ribeirinho, mora na região há mais de 65 anos e, conforme narrado, essa é a primeira vez que está vendo a execução de um trabalho diário voltado para a limpeza do Rio Cuiabá. O pescador lembra que o lixo jogado no Rio Cuiabá prejudica diretamente todo o meio ambiente, especialmente a sobrevivência dos peixes, já que a poluição atrapalha o processo de oxigenação da água.
“Mas, com a Balsa Ecológica fazendo essa limpeza todos os dias, melhorou muito essa situação. O lixo não fica mais rodando ou enganchado nos Sarã. Os rapazes vão até o meio do rio para catar o lixo e isso é ótimo. A limpeza ajuda até no aparecimento de peixes. Por isso, meu desejo é que a Prefeitura continue realizando esse trabalho, pois ajuda o meio ambiente e a população”, evidencia o ribeirinho.
Para Eliomar Rodrigues dos Santos, que exerce há um ano a função de auxiliar de convés, a percepção é de que, além de sua função principal, a balsa tem conseguido alcançar outro objetivo importante, que é a conscientização da população ribeirinha. Ele conta que no início sentia certo receio desse público quanto à execução do serviço, que acreditava que a balsa atrapalharia a pesca.
“Com o tempo, perceberam que, na verdade, estamos é ajudando e passaram a nos auxiliar com a coleta. Agora, eles também recolhem o lixo da margem do rio e quando veem a balsa passando nos chama para entregar o material. Outras vezes, eles mesmos chamam a atenção das pessoas que são de fora e deixam lixo na beira do rio. Ou seja, agora há essa sintonia, eles nos ajudam e nós também os ajudamos”, explica.
No entanto, Eliomar salienta que, para que o trabalho produza resultados cada vez mais positivos, é preciso que essa conscientização não seja uma exclusividade dos ribeirinhos. “Ela tem que existir também na população que mora mais distante, mas que joga o seu lixo na rua. No fim, esse lixo vai ser desovado no rio e isso é muito triste. Temos uma imensa beleza natural que é prejudicada pela falta de conscientização. Então eu peço para a população cuiabana que nos ajude a salvar nosso rio”, pontua o auxiliar de convés.
Assessoria/Caminho Político
Matéria com a colaboração de José Ferreira (cinegrafista)
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos