PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS
PLATAFORMA EAD DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO Cuiabá - MT.

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

sábado, 20 de março de 2021

Atividade florestal em Mato Grosso e Pará sob risco de suspensão pelo Ibama

Wellington Fagundes conversa com ministro Ricardo Salles e afirma que paralisação da atividade causa graves prejuízos aos dois estados.
O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (Ibama) anunciou que suspenderá, a partir de segunda-feira, dia 22, a emissão de Documento de Origem Florestal (DOF) para os estados de Mato Grosso e o Pará. A medida restritiva será tomada caso o Estado não cumpra o cronograma de integração entre os sistemas de informações do Estado com o Sistema Nacional de Controle da Origem dos Produtos Florestais (Sinaflor).
Alertado sobre a situação, o senador Wellington Fagundes (PL-MT) conversou com a secretária Estadual de Meio Ambiente, Maureen Lazarretti, e, em seguida, manteve audiência com o ministro Ricardo Salles para buscar uma solução que evite a proibição e a movimentação para o transporte e armazenamento de produtos florestais de origem nativa – o que, na prática, significa paralisação completa do setor nos dois estados.
Ao lado do senador Zeca Marinho, do Pará, Fagundes afirmou que a medida é preocupante sob todos os aspectos, mas, principalmente, aos municípios do Estado. A atividade é considerada base econômica de pelo menos 44 municípios mato-grossenses. “Neste momento crítico em que estamos enfrentando uma pandemia, uma paralisação desse segmento afetará bruscamente as relações de economia e emprego tanto para Mato Grosso como ao Pará” – disse.
O bloqueio do sistema de emissão para receber ofertas de produtos florestais com origem nos estados do Pará e Mato Grosso foi decidida, segundo nota do Ibama, em atendimento ao artigo 35, parágrafo 5°, da Lei nº 12.651/2012, que trata da integração dos sistemas estaduais com o Sinaflor. A implantação no sistema tornou-se obrigatório em maio de 2018.
O Ibama informou que ao longo dos últimos 2 anos e 10 meses, tem buscado solucionar junto às Secretarias de Meio Ambiente as etapas necessárias à devida integração, mas até o presente momento, os dois estados não apresentaram p resultado necessário para cumprimento da exigência. A secretária Maureen Lazarreti disse acreditar que grande parte dos processos estarão disponíveis no Sinaflor já na segunda-feira.
Fagundes cobrou do Governo do Estado agilidade nesse processo. Segundo ele, o aperfeiçoamento do sistema é fundamental para o combate as atividades ilegais recorrentes no setor. “O sistema é um passo importante para fomentar o mercado de madeira legal. Por isso, necessário, representa um avanço para a cadeia produtiva de madeira nativa, que sofre com irregularidades em seus processos de produção” – acrescentou.
Ao abordar sua preocupação com as medidas adotadas pelo Ibama, Wellington Fagundes ressaltou que o setor florestal em Mato Grosso tem trabalhado rapidamente para se transformar em referência de exploração sustentável e não pode ser penalizado por falhas do Estado. “O setor florestal tem uma cadeia produtiva extensa e que gera milhares de empregos diretos e indireto” – ele assinalou.
Assessoria/Caminho Político
Foto: ABAF
@CaminhoPolitico

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos