DIRETO DA VENEZUELA

DIRETO DA VENEZUELA
Tweets por ‎@infoenlaceweb INSTAGRAM @INFOENLACEWEB

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Endereço: Av. André Maggi, 6 - Centro Político Administrativo

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

sexta-feira, 23 de abril de 2021

POLÍTICA: Senadores discutem piso salarial da enfermagem no Colégio de Líderes

O PL 2564/2020 fixa o salário do enfermeiro em R$ 7.215 e faz escalonamento para demais profissionais. Líderes partidários manifestaram na reunião de líderes do Senado, desta quinta-feira (22), apoio à votação do Projeto de Lei 2.564/2020, do senador Fabiano Contarato (Rede-ES). Ele estabelece em sete salários mínimos o piso salarial dos profissionais de enfermagem.
Pelo texto, enfermeiros deverão receber, nos valores atuais, R$ 7.315, técnicos em enfermagem R$ 5.120, auxiliares e parteiras R$ 3.657, para jornada de trabalho de 30h semanais. Ainda não há data para votação do PL.
O líder da Minoria, Jean Paul Prates (PT-RN), voltou a pedir ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que coloque a proposta em votação assim que a relatora, Zenaide Maia (Pros-RN), concluir seu voto.
"Atualmente 65% da força de trabalho do setor de saúde é da área de enfermagem. E eles não têm piso e nem carga mínima. Trata-se de uma injustiça. É preciso não só reconhecer o heroísmo deles, mas valorizar a categoria profissional", disse Jean Paul.
O parlamentar lembrou que 23% dos profissionais do setor que morrem no mundo no combate à pandemia de covid-19 são brasileiros. Um índice inaceitável, na opinião do parlamentar.
"O Brasil não tem 23% da população mundial. O número de vítimas aqui é muito maior do que em outros países. Então, onde está o problema? Nas condições de trabalho, no estresse, na longa jornada e nos dois ou até três expedientes que os trabalhadores são obrigados a cumprir", avaliou.
O autor do projeto, Fabiano Contarato, disse que está apenas cumprindo o artigo 7º da Constituição, segundo o qual todo trabalhador tem direito a um piso salarial proporcional à complexidade e à extensão de seu trabalho. O parlamentar afirmou ainda, que a senadora Zenaide (relatora) é médica e conhece bem a realidade e a relevância dos profissionais. Por isso, ele espera um relatório favorável.
"Vamos deixar o debate para o Plenário e ver quem são os senadores comprometidos com a causa. Porque é muito cômodo ir para o púlpito e dizer que são heróis que usam capas brancas. A realidade é que esses profissionais sentem fome; estão pagando com a vida em plena pandemia. Eles têm filhos e não podem sequer voltar para suas casas, pois não têm para onde ir. Estão sendo subjugados" afirmou o parlamentar.
Salários atuais
Hoje, na rede privada, enfermeiros recebem cerca de R% 3.500, técnicos R$ 1.600 e auxiliares e parteiras R$ 1.300 por 40 horas semanais.
"É uma absurdo diante da sobrecarga a que estes profissionais são submetidos. Agora em tempo de pandemia, muitos estão trabalhando até 16 horas por dia, o que daria 40 horas semanais, o dobro da jornada contratada. Este PL precisa ser aprovado com urgência", disse o presidente do Coren-MT, Antônio César Ribeiro.
Apoio ao Projeto
Até agora, cerca de 40 senadores demonstraram apoio ao projeto. Em Mato Grosso, Jayme Campos (DEM), Carlos Fávero (PSB) e Wellington Fagundes (PL) se manifestaram favoráveis.
"Acho que é muito importante termos a consciência do que representam estas pessoas (profissionais de enfermagem) para a saúde deste país. Tenham certeza de que serei um defensor intransigente deste projeto. Precisamos fazer justiça dando a estes profissionais salários dignos e instrumentos para que possam desempenhar suas funções com qualidade. Podem contar comigo mesmo antes da votação para estar discutindo de forma efetiva com os demais senadores e com meu voto", prometeu Campos.
“Esta é uma proposta que vai contemplar uma categoria muito importante e que há mais de duas décadas luta por um piso salarial digno”, destacou Fávaro.
Outros senadores também manifestaram. Nelsinho Trad (PSD-MS), gravou um vídeo dizendo ser a favor da proposta. Segundo ele, só em Mato Grosso do Sul são quase 27 mil profissionais que estão enfrentando a pandemia com coragem e dando exemplo de responsabilidade e ética.
"O mérito do PL 2.564/2020 é notoriamente justo. Precisamos encontrar uma fonte de financiamento para que as prefeituras possam aplicar essa lei, se aprovada", afirmou.
Em outro vídeo, o senador Humberto Costa (PT-PE) disse que está acompanhando as negociações para garantir que essa demanda antiga da categoria seja finalmente atendida.
Os senadores Marcos do Val (Podemos-ES) e Rogério Carvalho (PT-SE) também publicaram no Twitter mensagens declarando apoio à iniciativa.
Ainda não foi definida a data de entrega do relatório para que o projeto entre na pauta de votação.
Robson Fraga/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos