Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Mixto Esporte Clube

Mixto Esporte Clube
Nas origens do Mixto uma mescla de cultura, tradições regionais e esportes praticados por homens e mulheres.

Prefeitura Municipal de Rondonópolis

Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022

sexta-feira, 14 de maio de 2021

ITBI na Integralização de Capital Social

O julgamento do RE nº 796.376/SC não exauriu as questões atinentes aos limites da imunidade do artigo 156, §2º, inciso I, da CF.
Na ocasião, o STF fixou a seguinte tese: “A imunidade em relação ITBI, prevista no inciso I do § 2º do art. 156 da Constituição Federal, não alcança o valor dos bens que exceder o limite do capital social a ser integralizado” (Tema 796). Em palavras mais simples, disse o STF que a imunidade somente alcança a operação de transferência de bens imóveis, em nome dos sócios, para a pessoa jurídica em realização de capital, caso o valor de tais bens não supere o valor do capital social declarado. No caso, a importância que sobejou o capital social foi declarada como reserva de capital e, como tal, não estaria respaldada na regra imunizante.
A dúvida maior que surge, a partir da tese firmada pelo STF, é: qual referência deve ser adotada como parâmetro, para se estabelecer o “valor dos bens” que se pretenda integralizar?
Para os que defendem a imunidade ilimitada, a incorporação estaria a salvo da tributação dos Municípios, independentemente do valor dos bens, pois as contas de reserva de capital comporiam o patrimônio da sociedade (Lei 6.404/76, artigo 178, §2º, inciso III).
Partindo-se de uma imunidade, agora, limitada, a tese que mais vem sendo defendida é a de que o valor disposto na declaração de IRPF do sócio serviria como parâmetro para se realizar o cotejo com o valor do capital social.
Escudam a pretensão de imunização (mais ampla) no artigo 23 da Lei 9.249/95. Também defendem que o diferimento, concedido pela União aos contribuintes que não desejam recolher o ganho de capital no momento da integralização, não poderia ser tolhido pelos Municípios.
Contudo, não é este o entendimento da Secretaria de Fazenda de Cuiabá e da jurisprudência dominante do TJMT, ao menos até a publicação do presente artigo.
Com efeito, não se duvida que a intenção do legislador constitucional, ao prever a norma imunizadora, foi a de fomentar a economia, estimulando-se a criação de novas empresas, além de promover a geração de emprego e renda.
Entretanto, o abrigo constitucional comporta limites. Quer se com isso dizer que o fato de a União editar a Lei Federal nº Lei 9.249/95, anuindo que contribuintes realizem o capital social, com bens imóveis, pelo valor constante da respectiva declaração de bens, não exonera os Municípios de exercerem sua competência tributária.
Nesse passo, o CTM Cuiabano estabeleceu, como base de cálculo do ITBI, o valor venal constante do Cadastro Imobiliário. Ora, se lei complementar, em consonância com o art. 146, III, “a”, da CF, definiu que a base de cálculo do ITBI é o valor venal do imóvel, é evidente que não se poderia admitir que outro valor fosse considerado na operação de transmissão.
Em acréscimo, não é demais relembrar que o próprio STF, ao reconhecer a repercussão geral do Tema 796, publicou acórdão referindo-se ao “valor de avaliação”. Não se referiu, pois, ao “valor declarado”, ao “valor fiscal”, muito menos ao “valor contábil” dos imóveis, deixando subentendido que o valor dos bens incorporados deveria guardar relação com o respectivo valor venal.
Portanto, não se afigura inconstitucional a incidência do ITBI apenas sobre a diferença entre valor venal e o valor do capital social, respeitando-se, com isso, o entendimento fixado no Tema 796. Pensar o contrário seria retirar a competência material, constitucionalmente atribuída aos entes municipais para tributação de operações desta natureza.
Carlos Eduardo Lopes é bacharel em Direito pela UFMS, Procurador do Município de Cuiabá, Membro da Comissão Nacional da Advocacia Pública do CFOAB, Professor Universitário, Especialista em Direito Tributário e Advogado. Contato: carlos.lopes@cuiaba.mt.gov.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos