Instec Instituto de Tecnologia Educação e Comunicação

Instec Instituto de Tecnologia Educação e Comunicação
Av. Rui Barbosa, S/N- Jardim Universitrio, Cuiabá - Mato Grosso. As informações de contato se encontram no (65) 99293-3962

Vereador Didimo Rodrigues Vovó

Vereador Didimo Rodrigues Vovó
Trabalhar por uma Cuiabá melhor

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

Senado Federal

Senado Federal
Para saber mais sobre essa unificação, clique aqui.

sexta-feira, 16 de julho de 2021

Número de mortos após chuvas torrenciais na Alemanha passa de 90

Total de vítimas após fortes chuvas, enchentes e desabamento de casas aumenta no oeste do país. Mais de mil pessoas estão desaparecidas, e buscas continuam. "A situação segue dramática", diz governadora.O número de mortos após fortes chuvas e inundações que atingiram o oeste da Alemanha subiu para ao menos 93 nesta sexta-feira (16/07), e mais de mil pessoas estão desaparecidas.
A grande quantidade de água transformou ruas em rios, com correntezas que varreram carros, arrancaram árvores e causaram o desabamento de casas. Interrupções nas linhas telefônicas fazem com que seja difícil traçar um retrato preciso da situação nos dois estados mais afetados, Renânia do Norte-Vestfália e Renânia Palatinado.
Mesmo com o fim das chuvas torrenciais, barragens que transbordaram ou ameaçam romper seguem ameaçando a região.
"A situação continua dramática", afirmou a governador da Renânia-Palatinado, Malu Dreyer, dois dias após chuvas intensas assolarem a região.
Mais de 50 pessoas morreram somente no estado e, segundo um porta-voz da polícia, teme-se que o número continue a subir. "O fato de tantas pessoas terem morrido nesta catástrofe é realmente terrível", lamentou Dreyer.
A governadora apontou que resgatar moradores de suas casas é difícil, pois o acesso a muitas localidades é limitado. "Tudo isso é um grande desafio para nossas equipes de resgate, que trabalham ininterruptamente", disse.
No distrito de Ahrweiler, no norte da Renânia-Palatinado, uma das áreas mais assoladas pela catástrofe, mais de 1.300 pessoas seguiam desaparecidas na manhã desta sexta. Mais de mil socorristas seguem trabalhando na área. As autoridades locais pediram o reforço de unidades sanitárias e de transporte e das Forças Armadas.
Barragens e casas afetadas
Em Erftstadt, ao sul de Colônia, na Renânia do Norte-Vestfália, construções desabaram na manhã desta sexta, deixando mortos. As autoridades locais ainda não conseguiram confirmar o número de vítimas, em meio a problemas de comunicação com a área afetada.
No estado vizinho, ao menos seis casas já haviam desabado no distrito de Ahrweiler, e outras dezenas correm risco.
A barragem de Rur (Rurtalsperre) – que represa o rio Rur na região de Aachen e no distrito Düren, no sudoeste da Renânia do Norte-Vestfália – transbordou na madruga desta sexta. Com isso, localidades como Düren e Jülich correm o risco de serem inundadas.
A barragem de Steinbach, perto de Euskirchen, também corre o risco de romper. A rodovia A61, que passa pela região, está fechada desde quinta.
Outras rodovias também foram fechadas, e algumas cidades foram preventivamente evacuadas. Alguns governos municipais declararam estado de emergência.
O transporte ferroviário continua afetado tanto na Renânia do Norte-Vestfália quanto na Renânia-Palatinado.
Em decorrência da catástrofe climática, 165 mil pessoas seguem sem energia elétrica.
No município de Stolberg, perto da cidade de Aachen, o abastecimento de água potável está comprometido, e os cidadãos foram instruídos a ferver a água antes do uso.
A catástrofe também fez vítimas na Bélgica. Segundo a imprensa local, o número de mortos chegou a 12 nesta sexta, e cinco pessoas ainda estão desaparecidas.
A pequena cidade de Schuld, no distrito de Ahrweiler, no qual mais de 1.300 pessoas seguem desaparecidas
Governo federal promete ajuda
Em visita a Washington, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, prometeu ajuda a moradores das áreas afetadas pela catástrofe. "Posso dizer para as pessoas: nós não lhes deixaremos sozinhos em momentos difíceis, terríveis. Também ajudaremos na reconstrução", disse Merkel.
O ministro do Interior alemão, Horst Seehofer, anunciou ampla ajuda financeira do governo federal para as áreas afetadas, a ser liberada dentro de poucos dias. O valor ainda não foi definido. Na chamada enchente do século dos rios Elba e Danúbio, que afetou oito estados alemães em 2013, o governo federal disponibilizou um fundo de ajuda de mais de 8 milhões de euros.
Em coletiva de imprensa ao lado do presidente americano, Joe Biden, Merkel também observou que "o número de fenômenos climáticos extraordinários aumentou dramaticamente" e que, portanto, o mundo precisa agir.
A ministra do Meio Ambiente da Alemanha, Svenja Schulze, afirmou que a catástrofe mostra que a mudança climática chegou ao país. "Trata-se de volumes de água históricos", disse. Ela defendeu que ajuda financeira chegue de maneira imediata aos atingidos.
lf (Reuters, ARD, DPA, AFP)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos