Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Seu título está na mão

Seu título está na mão
1º Título de Eleitor Decreto nº 3.029 - 9.1.1881

Assembleia Legislativa de Mato Grosso

Assembleia Legislativa de Mato Grosso
Seja bem-vindo ao perfil oficial da Assembleia Legislativa de Mato Grosso!

quarta-feira, 11 de agosto de 2021

Aspectos da corrupção passiva

O delito de corrupção passiva está previsto no artigo 317 do Código Penal e tipifica como ilícita a conduta do funcionário público que solicita ou recebe, para si ou para outra pessoa, de modo direto ou indiretamente, vantagem indevida. Solicitar significa pedir uma vantagem indevida; receber é aceitar uma vantagem qualquer; e aceitar promessa de tal vantagem é concordar, assentir em receber a oferta futuramente.
À vista disso, uma das suas características mais relevantes é que somente um funcionário público pode cometer o delito, sendo, assim, um crime próprio. O delito ocorre em razão da função exercida, ainda que fora dela ou antes mesmo de assumi-la, uma vez que, o tipo exige o nexo causal entre a oferta – ou promessa – de vantagem ilícita e a função pública.
Isso significa que, aquele que pratica a conduta descrita no artigo 317 do Código Penal, exercendo até mesmo uma função pública transitória, como é o caso dos jurados, tradutores, peritos, entre outros, comete o delito de corrupção passiva. De modo prático, são exemplos que configuram o crime quando um servidor solicita dinheiro para expedir determinado documento com teor diverso do verdadeiro; ou o pagamento indevido ao funcionário em troca de uma omissão em ato que é seu dever em razão do cargo ocupado.
Além disso, por sua natureza formal, isto é, de mera conduta ou simples atividade, consuma-se no momento em que são praticados efetivamente a atuação delitiva, independente do resultado pretendido. Assim, pode se consumar em três momentos, dependendo de que modo é praticado: na primeira ocasião, ocorre no instante em que o agente, efetivamente, solicita a vantagem indevida.
Na segunda modalidade prevista no tipo, ocorrerá quando o agente, sem fazer qualquer solicitação, recebe a vantagem. E, o último ato típico se perfaz ao agente que tão somente aceita a promessa de tal vantagem. Infere-se, desse modo, que na primeira hipótese o servidor possui postura ativa, já nas duas últimas de passividade, em que a ideia da corrupção parte do corruptor.
Em todos os casos, o seu crime será o de corrupção passiva haja vista a qualidade de funcionário público exigida pelo tipo, que possui como bem jurídico tutelado a Administração Pública, e tanto sua proteção na esfera patrimonial quanto em seu regular funcionamento nos moldes dos princípios da transparência, da moralidade e da probidade.
Vinícius Segatto é Advogado, especialista em Direito Penal Econômico, Direito Constitucional e em Direito Eleitoral e Improbidade Administrativa, Membro da Comissão de Direito Penal e Processo Penal da OAB/MT e do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos