PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
Prefeitura publica novo decreto e mantém fiscalização rígida contra pandemia Várzea Grande vacina Guarda Municipal e forças de segurança e vai abrir cadastro para idosos acima de 60 anos Várzea Grande e Assembleia Legislativa vão abrir novos pontos de vacinação Várzea Grande abre inscrição para 60 anos depois de vacinar 6,5 mil pessoas nos últimos dias

HOSPITAL H•BENTO

HOSPITAL H•BENTO
Av. Dom Aquino, 355 • Centro, 78015-200 • Cuiabá - MT

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS

VI SIMPÓSIO SOBRE DISLEXIA DE MATO GROSSO – 2021 - MINICURSOS
PLATAFORMA EAD DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MATO GROSSO Cuiabá - MT.

DE OLHO NOS RURALISTAS!

DE OLHO NOS RURALISTAS!
Observatório de agronegócio e políticas ruralistas no Brasil. As notícias com perspectiva social e ambiental.

domingo, 8 de agosto de 2021

Quebradeiras de coco babaçu: tradição, respeito e emancipação

Em ao menos quatro estados brasileiros, mulheres mantém o ofício como forma de resistência e preservação ambiental. Nos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Pará, mais de 300 mil mulheres trabalham como quebradeiras de coco.
O ofício que antigamente era ensinado somente para as mulheres, porque diziam que elas não precisavam aprender a ler e escrever, segue hoje como uma tradição que ensina, sobretudo, o respeito ao meio ambiente. Eunice da Conceição, que aprendeu a tradição com os avós e hoje é coordenadora regional do Movimento Interestadual de Quebradeiras de Coco Babaçu (MIQCB) explica a ligação deste ofício com a resistência das mulheres.
“É uma história e é uma conquista muito longa a luta da quebradeira de coco. Só de termos conhecimento dos nossos direitos, já é uma grande coisa. Por isso dizemos hoje que somos livres, porque temos o direito de ir e vir. Temos os direitos de fazer as nossas escolhas", afirma.
"é muito importante, porque é onde a companheira tira a sua fonte de renda"
Depois da coleta nas palmeiras de babaçu, que podem chegar até 20 metros de altura e as folhas 8 metros de comprimento, as mulheres se reúnem para quebrar os cocos e extrair a castanha que é utilizada no preparo de azeite e óleo in natura.
Depois de extraída, a castanha é torrada, moída e cozida para a extração do óleo. O pequeno fruto marrom é aproveitado inteiro, sem nenhum desperdício.
"A partir do coco babaçu se produz azeite, óleo, carvão e artesanato", explica Marinalda Rodrigues, quebradeira de coco no Piauí.
As quebradeiras de coco de babaçu conseguem manter a renda com essa tradição cultural. No Assentamento Nova Estrela, que fica no município de São Sebastião, no Tocantins, por exemplo, são aproximadamente 69 famílias que vivem da extração do coco, contexto semelhante que ocorre em outros estados brasileiros.
Cada uma das regiões enfrentam dificuldades distintas, mas um dos principais conflitos vem da destruição provocada pelo agronegócio.
Os relatos das quebradeiras são de que este modelo de exploração dos recursos tem desmatado as áreas babaçuais para o plantio de monoculturas como o eucalipto.
“A forma das mulheres em ter a fonte de renda delas é muito importante, porque é onde a companheira tira a sua fonte de renda, dos babaçuais e pra isso acontecer temos que ter a garantia desses babaçuais em pé. Por isso que falamos sempre em agroecologia, em território", defende Conceição.
"Sabemos que tendo terra e território temos também o nosso babaçu em pé"
Com a pandemia, a situação ficou ainda mais difícil, mas as quebradeiras de coco das mais diversas regiões do país tem se mobilizado em grupos para defender seus direitos e manter viva essa tradição e cultura que se opõe à lógica exploratória do meio ambiente.
“A história das quebradeiras da nossa região se dá há mais de 30 anos. Por água, terra, e empoderamento das mulheres", afirma Rodrigues.
Nayá Tawane/Caminho Político
Edição: Douglas Matos
@caminhoppolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos