Governo de Mato Grosso

Governo de Mato Grosso
Palácio Paiaguás - Rua Des. Carlos Avalone, s/n - Centro Político Administrativo

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE

PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
AV. CASTELO BRANCO, 2500 - CENTRO SUL, VÁRZEA GRANDE

quinta-feira, 9 de setembro de 2021

Medeiros cita lealdade de caminhoneiros com Bolsonaro, mas pede fim de protesto

A paralisação dos caminhoneiros em vários estados brasileiros, inclusive em Mato Grosso, vem mobilizando várias lideranças ligadas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O objetivo é liberar as estradas e evitar prejuízos econômicos para o país. Uma das lideranças que estão tentando negociar com os caminhoneiros é o deputado federal José Medeiros (Podemos), vice-líder do governo Bolsonaro na Câmara Federal.
“Mantive contato com lideranças nacionais e locais dos caminhoneiros. Em Mato Grosso, pedimos que os caminhoneiros que estão manifestando na BR-364, na saída de Cuiabá sentido Rondonópolis, liberem a rodovia. Mesmo com a decisão da Justiça determinando a liberação dos 11 pontos com manifestação em Mato Grosso, os caminhoneiros querem manter a paralisação em apoio ao governo Bolsonaro. Em nome do Governo Federal, agradecemos o apoio, o carinho e a lealdade, mas ontem (quarta-feira) o presidente fez um pedido para que as estradas fossem liberadas. Qualquer desabastecimento será debitado nas costas do presidente, principalmente por pessoas que querem o impeachment”, frisa Medeiros em conversa por telefone com um grupo de caminhoneiros de que estão na BR-364. (vídeo anexo)
O parlamentar ressalta a importância dos caminhoneiros para a economia brasileira, mas neste momento é necessário unir forças para evitar que a inflação cresça, prejudicando principalmente os mais pobres. “O Brasil depende dos caminhoneiros. É uma categoria que tem uma força enorme e um papel importante na economia. Eles foram fundamentais nas manifestações de 7 de setembro e vão nos ajudar nesse momento tão importante para o nosso país. A pandemia já impactou a economia, provocando aumento nos preços. Precisamos dos caminhoneiros para reverter essa situação e contornar essa crise que é mundial”, comenta Medeiros.
Um dos líderes do movimento no estado, Adavilson Azevedo, disse que a paralisação é uma resposta a atuação antidemocrática do Supremo Tribunal Federal (STF), que vem atuando para desestabilizar o governo Bolsonaro. “Os caminhoneiros estão em estado de alerta em apoio ao presidente Bolsonaro, em defesa da liberdade e pela igualdade entre os Poderes”, disse Azevedo. Ele acrescenta ainda, que a previsão é que até o final do dia as rodovias de Mato Grosso sejam liberadas e a paralisação seja suspensa. "Vamos atender o apelo e liberar as rodovias e voltar ao trabalho. Porém, vamos continuar o protesto e vigilantes a tudo que está acontecendo".
Em áudio divulgado nesta quarta-feira (8), Bolsonaro fez um apelo aos caminhoneiros para que colocassem um fim na paralisação. “Bloqueios atrapalham a economia, provocam desabastecimento, inflação, prejudicam todo mundo, em especial os mais pobres. Dá um toque, se possível, para liberar (as rodovias). Pra gente seguir a normalidade. Não é fácil conversar por aqui (em Brasília) com outras autoridades, mas a gente vai fazer nossa parte e buscar uma solução para isso”, disse o presidente na gravação.
Assessoria/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos