Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Mixto Esporte Clube

Mixto Esporte Clube
Nas origens do Mixto uma mescla de cultura, tradições regionais e esportes praticados por homens e mulheres.

Prefeitura Municipal de Rondonópolis

Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022

quinta-feira, 16 de dezembro de 2021

Autor do projeto, vereador Eduardo Magalhães destaca que PCHs degradam a biodiversidade, e fala da importância do apoio dos demais parlamentares

O vereador por Cuiabá, Eduardo Magalhães (Republicanos, com o apoio da maioria dos parlamentares derrubou o parecer da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR) em sessão nesta terça-feira (14), dessa forma, o Projeto de Lei que proíbe a construção de Usinas Hidrelétricas e Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs), de autoria do republicano, deve ser votado e aprovado nesta quinta-feira (16).
Na tribuna, o camarista defendeu a autonomia do município, no que se diz respeito às decisões de proteger o meio ambiente.
“Já é uma prática das empresas desse segmento resolverem as questões de licenciamento para a construção das PCHs, em Brasília (DF). Então aqui em Mato Grosso, por meio da Secretaria Estadual de Meio Ambiente efetivam a autorização, sem o consentimento da população. Às vezes pode ser que realizam um audiência pública para debater o tema, quando muito é realizada uma audiência pública, geralmente na segunda-feira, às 8h da manhã, período que o trabalhador não pode participar”, afirma Eduardo.
O parlamentar também se embasou na lei para sustentar sua argumentação. “Na lei orgânica do nosso município, no artigo 185, diz que o Poder Municipal manterá o Plano de Recursos Hídricos Institucionais necessários para garantir e manter a proteção das águas”.
O projeto contou com o apoio do vereador Tenente Coronel Pacolla (Cidadania), “a construção das PCHs impacta diretamente o meio ambiente e o futuro das próximas gerações, o interesse individual, não deve sobrepor ao coletivo”.
Já o vereador Dr. Luiz Fernando (Republicanos), afirmou que, “é importante os vereadores fazerem um voto político. Isso mostra o quão empenhados estamos em proteger o Rio Cuiabá”.
Para Mário Nadaf (PV), “já sabemos os problemas que podem ocorrer com a instalação dessas hidrelétricas, a biodiversidade pode ser dizimada”.
Diego Guimarães (Cidadania) alerta que, “a decisão de ser contra a construção é para proteger nosso maior patrimônio o Rio Cuiabá, e as futuras gerações”.
A vereadora Edna Sampaio (PT), reconheceu a importância de discutir a competência do município para legislar sobre seu território e defendeu que o tema seja levado a tribunais superiores. “Embora a União tenha competência exclusiva de legislar sobre as águas, temos um conflito de interesses local sobre o qual esta Casa tem o poder de legislar (...) Precisamos interferir neste debate, que é político e jurídico, Cuiabá tem que ser protagonista. O rio é do povo cuiabano e de todos os ribeirinhos”.
“O Rio Cuiabá já está em uma situação preocupante, em estado de sofrimento. Em alguns pontos é possível atravessar andando. Imagina se for construída uma PCH?”, alerta o vereador Chico 2000 (PL).
Kássio Coelho (Patriota) também defendeu o projeto, “como ribeirinho que sou já sobrevivi do rio Cuiabá por mais de dois anos, eu e minha família. A construção das PCHs é algo que realmente me preocupa”.
Já existem 47 hidrelétricas em operação e pelo menos 133 projetos de PCHs, na Bacia do Alto Paraguai, mas esses locais respondem pelos ciclos de cheias e vazantes do Pantanal.
Segundo dados do estudo de impactos das hidrelétricas na Bacia, feito pela Agência Nacional de Águas (ANA), 89% dos peixes do Rio Cuiabá são de piracema, e nadam dezenas de quilômetros até a cabeceira para reprodução. Larvas e ovas são guiadas pela correnteza para retornarem a seus locais de origem.
Mesmo em momento de carência de energia, termoelétricas e hidrelétricas não são a única opção, devemos fomentar ainda mais outras opções de energias renováveis, e a mais apropriada para Mato Grosso é a fotovoltaica.
Com a construção da Usina Hidrelétrica do Manso, o Rio Cuiabá sofreu sérios impactos, já que acabou com todas as áreas antes alagáveis em seu curso, e reduziu drasticamente o número de peixes, segundo os pescadores que dependem unicamente da pesca para sobreviver.
Outro ponto é o Pantanal, que possui um sistema frágil, que depende das águas, da variação de secas e cheias para manter a sua biodiversidade.
Perturbações implementadas dentro da bacia podem trazer um risco iminente, e impactos negativos relevantes para toda a comunidade.
A barragem do Manso, por exemplo, está produzindo 30% da sua capacidade, porque falta água, dessa forma, temos o seguinte questionamento: Se já tem uma represa que não está atuando em sua capacidade plena, como vamos colocar mais? Sendo que nós temos um plano B, que é a energia solar. A nossa região é bem abastecida pelo sol e as empresas que querem implantar as PCHs já trabalham com energia solar.
Assessoria/Caminho Político
@caminhopolitico @cpwebAutor do projeto, vereador Eduardo Magalhães destaca que PCHs degradam a biodiversidade, e fala da importância do apoio dos demais parlamentares

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos