Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Mixto Esporte Clube

Mixto Esporte Clube
Nas origens do Mixto uma mescla de cultura, tradições regionais e esportes praticados por homens e mulheres.

Prefeitura Municipal de Rondonópolis

Prefeitura Municipal de Rondonópolis
Endereço: Avenida Duque de Caxias, 1000, Vila Aurora, 78740-022

terça-feira, 21 de dezembro de 2021

Vivo comprova débito de consumidor e juiz reforma sentença que havia condenado empresa

O juízo da Turma Recursal Única do Tribunal de Justiça de Mato Grosso deferiu recurso inominado apresentado pelo escritório Corrêa da Costa Advogados, reconhecendo a contratação dos serviços de telefonia e a existência de débito de um consumidor, bem como a legalidade da inscrição do seu nome nos órgãos de proteção ao crédito.
Decisão de primeira instância havia condenado a empresa ao pagamento de R$ 10 mil a título de danos morais por suposta cobrança de débito inexistente e consequente inscrição indevida do nome do consumidor no SPC/Serasa.
No entanto, em fase de recurso, o advogado Filinto Corrêa da Costa Junior conseguiu comprovar a existência de relação jurídica entre as partes, apresentando formulário de comprovante de endereço e a ficha de cadastro preenchidos de próprio punho, por meio dos quais o consumidor realizou a habilitação da linha fixa que alegava não ser sua.
O advogado também conseguiu comprovar a existência de débito no valor de R$ 400,36 com a empresa, bem como o fato de o consumidor já ter quitado diversas faturas, derrubando o argumento de desconhecimento da relação contratual que originou o débito e, posteriormente, a devida inscrição nos órgãos de proteção ao crédito.
Diante das informações, somadas ao fato de o consumidor não ter comprovado a quitação dos seus débitos com a empresa de telefonia, o juiz Valmir Alaércio dos Santos deu provimento ao recurso.
“Por se tratar de débito devido, a inscrição foi realizada de forma legítima, pois se trata de exercício regular de direito diante da inadimplência da consumidora, o que não dá ensejo à indenização de tal natureza”, conclui a decisão.
Assessoria/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos