Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Baronês Cuiabá

Baronês Cuiabá
O cardápio mais nobre de Cuiabá.

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, Cuiabá, 78005-906

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

terça-feira, 15 de fevereiro de 2022

MEIO AMBIENTE: Biólogo Richard Rasmussen explica como o manejo florestal sustentável contribui para preservação ambiental

Em produção feita no
município de Alta Floresta (MT), o biólogo mostra a diferença entre desmatamento e a extração legal de árvores maduras. O mito de que toda retirada de árvores é feita de forma criminosa foi derrubado pelo biólogo, naturalista e apresentador Richard Rasmussen, conhecido pelas expedições à natureza, mostradas em diversos canais de TV aberta e fechada.
Em vídeo produzido em parceria com o Fórum Nacional das Atividades de Base Florestal (FNBF) e publicado nesta segunda-feira (14) em suas redes sociais, o profissional explicou em detalhes como são realizadas todas as etapas do manejo florestal sustentável.
Acompanhado pelo presidente FNBF, Frank Rogieri, Richard visitou uma área de Floresta Amazônica localizada no município de Alta Floresta, em Mato Grosso, e mostrou como o manejo sustentável contribui para a preservação do meio ambiente.
Conforme explicou o presidente do FNBF, nem todas as árvores que possuem espessura suficiente para serem colhidas de fato são. Algumas são identificadas com potencial para atuarem como “porta sementes” e, por isso, permanecem preservadas.
“Essa árvore fica aqui para repovoar aonde nós colhemos as árvores que estavam passíveis de corte. Então, embora ela tenha circunferência [dentro dos padrões para ser colhida], vai ficar aqui para garantir a repovoação da floresta, a manutenção e a conservação desta área aqui”, esclareceu Frank.
Na sequência, Richard explicou que as árvores estocam grandes volumes de carbono em sua biomassa ao longo de suas vidas e, quando morrem, tornam-se fontes de emissão de carbono.
De dentro de uma área de manejo, o biólogo mostrou que o manejo florestal sustentável causa impactos mínimos à floresta, sendo até difícil identificar o local de onde uma árvore foi retirada. Em uma área de um hectare, equivalente a um campo de futebol, são colhidas apenas de quatro a seis árvores.
“É importante dizer que as árvores menores [que estavam ao redor da árvore que foi colhida] só crescem na medida em que abre um espaço no dossel. Quando a árvore que estava ali tomando conta desse espaço saiu, a luz solar chega ao solo, e, através da fotossíntese, começa a evolução, começa a disputa para ver quem chega lá em cima primeiro. E é nesse momento que o sequestro de carbono acontece”, explicou Richard.
Dando continuidade à explicação, o biólogo ressaltou ainda que, quando a árvore é extraída e transformada, por exemplo, em um móvel, o carbono absorvido ao longo de sua vida permanece armazenado em seu interior.
“E o curioso é que nesse fragmento florestal você tem as árvores que já atingiram a espessura suficiente para serem colhidas, aquelas que ainda não atingiram a espessura para serem colhidas, aquelas que não vão ser colhidas porque são sementeiras e aquelas que não vão ser colhidas porque são protegidas pela lei, que são alimentos da fauna que vive aqui, como a Castanheira”, acrescentou.
Após serem colhidas e devidamente identificadas, as toras de madeira são enviadas à indústria. Chegando lá, conforme explicou Edwin Franz, representante do setor, o primeiro passo é conferir a documentação com as placas de identificação recebidas ainda nas áreas de manejo. Em seguida, as toras recebem as placas de identificação da indústria, para dar início a todo o processo de produção.
“É isso que nos dá segurança quando adquirimos um produto de madeira vinda do manejo”, frisou Richard.
Além de contribuir para a preservação do meio ambiente, o biólogo ilustrou como o manejo florestal sustentável gera emprego e renda, mostrando o exemplo da trabalhadora Kerli Aguiar, cuja renda e de seus familiares advêm do setor madeireiro.
“Explorar a floresta de maneira sustentável, permitindo que ela continue a crescer e produzir, gerando riqueza para as populações dessa região. É assim que nós vamos tratar a conservação das nossas florestas”, concluiu o biólogo.
Documentário – Todos os detalhes acerca do processo de manejo florestal sustentável serão mostrados por Richard Rasmussen em documentário que está em fase de produção.
Assessoria/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos