Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Baronês Cuiabá

Baronês Cuiabá
O cardápio mais nobre de Cuiabá.

Prefeitura de Cuiabá

Prefeitura de Cuiabá
Praça Alencastro, Cuiabá, 78005-906

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso

Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso
Cons. Benjamin Duarte Monteiro, Nº 01, Ed. Marechal Rondon

sábado, 19 de fevereiro de 2022

Só 21% das crianças receberam a primeira dose da vacina: efeito da desinformação

Nota técnica divulgada nesta quarta-feira (16) pelo Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz afirma que o grande volume de desinformação sobre as vacinas contra a doença está causando atrasos na imunização de crianças e prejuízos ao enfrentamento da pandemia e à saúde dos brasileiros, especialmente em um momento de volta às aulas presenciais nas escolas.
O documento ressalta que o ritmo de imunizações caiu a partir do final de janeiro. Não por acaso, foi quando apoiadores do presidente Jair Bolsonaro intensificaram os ataques à vacinação de crianças. A nota destaca que a média nacional de cobertura da primeira dose na faixa etária de 5 a 11 anos é de somente 21%, e que apenas 7 Unidades Federativas ultrapassaram essse índice: Rio Grande do Norte (32,6%), Sergipe (23,9%), Espírito Santo (21,9%), São Paulo (28,1%), Paraná (28,6 %), Rio Grande do Sul (23,2%) e o Distrito Federal (34,6%)”.
O pior desempenho está no Amapá, com só 5,3% da população na faixa etária entre 5 e 11 anos vacinada.
Aumento de internações
“Quando crianças não são vacinadas, cria-se um grupo suscetível a contrair a Covid-19. (...) Num cenário em que apenas este grupo não está imunizado, ele se torna particularmente vulnerável à infecção e à disseminação do vírus, inclusive entre outros grupos etários”, alerta a entidade, acrescentando que o número de internações de crianças infectadas aumentou em números absolutos e em comparação às demais faixas etárias.
A Fiocruz também sublinhou que as vacinas são seguras. “Agências de saúde de vários países continuam afirmando que as vacinas são seguras e que o número de eventos relatados é pequeno frente aos milhões de doses que já foram aplicadas nessa faixa etária”.
Na quarta-feira (16), o diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, compareceu à Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado, onde confirmou que o número de ameaças à Anvisa saltou de três para 458 após Bolsonaro ter cobrado o nome dos servidores que autorizaram o início das imunizações em crianças, em dezembro.
Assessoria/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos