Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Seu título está na mão

Seu título está na mão
1º Título de Eleitor Decreto nº 3.029 - 9.1.1881

CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ
Praça Moreira Cabral - Centro - s/n - Cuiabá-MT

sábado, 19 de março de 2022

Mulheres laranjas e as eleições 2022: o jogo sexista está prestes a virar?

Véspera do Dia Internacional da Mulher e a luta na seara política para as pessoas do gênero feminino continua. Mesmo após 90 anos da conquista do direito ao voto e a ser votada, as mulheres ainda enfrentam grandes dificuldades para entrar e permanecer na política. Muitas são assediadas pelos partidos meses antes das eleições apenas para cumprir a cota de gênero, mas em 2022 a história deve ser outra.
As siglas partidárias estão correndo contra o tempo para recrutar mulheres que tenham expressão, audiência e, acima de tudo, votos para se colocarem na disputa do pleito para os cargos de deputada federal, estadual, senadora e governadora.
Na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, atualmente, somente uma mulher ocupa a cadeira de deputada estadual, enquanto na Câmara Municipal de Cuiabá duas vereadoras cumprem seu papel de fiscalizar as ações e contas da prefeitura. Já em Várzea Grande, a situação é um pouco melhor, três mulheres são vereadoras.
Historicamente esses números sempre foram baixos. Desde a redemocratização do Brasil, em 1988, somente 13 mulheres foram eleitas deputadas no estado de Mato Grosso. Em média, a cada 4 anos apenas 1 mulher consegue assegurar a sua cadeira no parlamento estadual.
Apesar de estatisticamente o contingente feminino brasileiro corresponder a 53% da população, segundo o IBGE, o número atual de cadeiras corresponde a apenas 15% das vagas disponíveis. As mulheres seguem sub-representadas no parlamento federal.
Seguindo o modelo norte-americano das cotas, a legislação brasileira na Lei 12.034/09 determinou que os partidos tivessem, obrigatoriamente, pelo menos 30% das chapas proporcionais formadas por candidatas e que os recursos do Fundo Eleitoral Público prestigiassem essas mulheres na mesma proporção.
Na prática, a cota de 30% não alcançou êxito esperado porque os partidos políticos, apesar da lei, enquanto instituição de poder machista burlaram a norma eleitoral, colocando candidatas chamadas “laranjas” nas chapas para cumprir “tabela” e os recursos destinados a elas eram repassados para os candidatos da chapa. A alegação era de que não conseguiam arranjar nomes femininos “competitivos” para montar as chapas.
Nas eleições de 2022 o desafio continua. Com número reduzido de vagas para candidatos, o jogo de xadrez para compor as chapas aumentaram significativamente, pois uma chapa de Deputado Federal deve ter apenas 9 candidatos (as) em Mato Grosso, sendo 1/3 de mulheres: 6 homens e 3 mulheres.
Nessa regra para se eleger 1 deputado federal na vaga direta a chapa completa deverá alcançar o coeficiente de 185 mil votos e, na média individual, 23.144 por candidato (a).
Além das dificuldades de calibrar a chapa com apenas 9 nomes competitivos eleitoralmente, testados (as) nas urnas, com tamanho e peso eleitoral (para não pôr em risco o projeto inteiro), o partido tem que encontrar para credenciar à chapa ao menos 3 candidatas fortes com esse potencial médio de votos para não frustrar o cômputo geral.
Quais ações os partidos desenvolveram até aqui para fortalecer e formar quadros femininos para alcançar essas metas eleitorais? Acredito que finalmente o fundo eleitoral servirá para financiar e garantir equidade nas disputas eleitorais ampliando o espaço feminino na política, não como laranja mas como protagonista do processo.
Em 2010, o Fundo Partidário e Eleitoral que era de 200 milhões passou a ser de 5 bilhões de reais e agora pela Resolução do TSE aprovada, além dos 30% do fundo eleitoral, existirá a contagem em dobro dos votos dado às mulheres e pessoas negras para a Câmara dos Deputados para fins de distribuição dos recursos do Fundo Partidário e Eleitoral a partir de 2023.
A lei que financiava de maneira diferente o acesso a disputa agora vai garantir também fundo partidário em dobro depois de eleitas, acesso e permanência agora têm pesos diferentes para mulheres e negros em relação aos demais candidatos.
Essa medida pode duplicar o número de candidatas e eleitas nesse nicho em 2022 para o partido obter mais recursos do fundão, espécie de bônus eleitoral e os investimentos podem até ultrapassar o mínimo de 30% nas candidatas mais competitivas.
Espera-se que com essa iniciativa possa ao menos alcançar os 30% de representação na câmara federal até 2026. Os partidos já estão desesperados atrás de candidatas para cumprirem as metas eleitorais das siglas, oferecendo “mundos e fundos”.
A bancada federal de Mato Grosso possui apenas uma mulher das 8 vagas preenchidas em 2018 e, com esse cenário, espera-se que chegue a no mínimo 3 até 2026.
As medidas inclusivas não mudarão de imediato o machismo e as altas taxas de feminicídios existentes por causa de uma cultura paternalista herdada durante mais de 500 anos de colonização.
Tais iniciativas trazem para o centro do debate, das decisões e do poder das políticas públicas em geral, a participação mais significativa das mulheres, sinaliza para uma maior equidade na representação política e sinaliza para um país mais democrático e menos misógino.
Suelme Fernandes é mestre em História pela UFMT e deputado estadual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos