Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Seu título está na mão

Seu título está na mão
1º Título de Eleitor Decreto nº 3.029 - 9.1.1881

CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ
Praça Moreira Cabral - Centro - s/n - Cuiabá-MT

quinta-feira, 14 de abril de 2022

Governo Bolsonaro decide dar reajuste de 5% a servidores

Medida custaria R$ 6,3
bilhões apenas no Executivo federal e exigiria corte de R$ 4,6 bilhões em outras áreas. Percentual proposto está abaixo da inflação em um ano e foi criticado por associações do funcionalismo. O governo Jair Bolsonaro decidiu nesta quarta-feira (14/04) dar um reajuste linear de 5% a todos os servidores do Executivo a partir do mês de junho, que começaria a ser pago no contracheque de julho, menos de quatro meses antes das eleições presidenciais.
A medida terá custo estimado de R$ 6,3 bilhões apenas no Executivo federal, acima da reserva de R$ 1,7 bilhão no Orçamento de 2022 para reajustes aos servidores do governo federal.
Para cobrir a diferença, será necessário realizar cortes no valor de R$ 4,6 bilhões em outras áreas para respeitar o teto de gastos. O governo estuda cortar despesas de custeio e investimento dos ministérios ou de emendas parlamentares de bancada.
Mais R$ 1,6 bilhão seria necessário para pagar o reajuste de 5% às careiras do Judiciário, Legislativo, Ministério Público e Defensoria, mas esses órgãos têm folga nos seus tetos de gastos, o que não exigiria cortes adicionais de outras despesas.
A medida ainda precisa ser enviada pelo governo por meio de projeto de lei e aprovada pelo Congresso, pois depende de modificações no Orçamento.
A lei eleitoral proíbe a concessão de reajustes ao funcionalismo que excedam a recomposição do poder de compra no período de seis meses antes do primeiro turno da disputa presidencial. Como o reajuste proposto seria abaixo da inflação, a regra não seria infringida.
Paralisações e operações padrão
O reajuste de 5% fica abaixo da inflação medida pelo IPCA nos últimos 12 meses, que acumula alta de 11,3%. Diversas categorias vinham fazendo nos últimos meses paralisações ou operações padrão em campanha pela recomposição salarial.
Os servidores do Banco Central estão em greve desde 28 de março, o que interrompeu a divulgação de relatórios estatísticos e indicadores econômicos. Servidores da Receita Federal estão em operação padrão desde 27 de dezembro, e nesta quarta-feira auditores do Tesouro Nacional iniciaram uma paralisação. Outras categorias, como servidores da área de Planejamento e Orçamento e analistas de comércio exterior, também organizam paralisações.
O objetivo inicial declarado de Bolsonaro era conceder reajuste somente aos servidores da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal e agentes penitenciários, o que provocou a reação de outras categorias.
Servidores criticam percentual
A proposta de reajuste de 5% foi considerada insuficiente por diversas categorias, mas algumas indicaram que o gesto do governo poderia fazer as negociações avançarem.
O presidente do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate), Rudinei Marques, afirmou ao jornal Folha de S. Paulo que a proposta de aumento de 5% era "inaceitável" e "revoltante", apontando que a defasagem salarial dos servidores federais estaria entre 30% a 40%.
O presidente do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central (Sinal), Fabio Faiad, afirmou à CNN Brasil que o reajuste é "muito pequeno diante da inflação acumulada", mas "pode significar o início de negociação".
A Federação dos Trabalhadores do Judiciário Federal e do MPU (Fenajufe) também criticou o percentual de reajuste de 5% anunciado. "A proposta do presidente Jair Bolsonaro (PL) de conceder reajuste salarial de 5% aos servidores públicos federais aprofunda o processo de corrosão da renda da categoria, com o achatamento de salários em momento de crescimento dos preços do aluguel e a inflação dos alimentos e combustíveis", afirmou Thiago Duarte Gonçalves, diretor da entidade, à CNN Brasil.
bl/lf (ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos