Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Seu título está na mão

Seu título está na mão
1º Título de Eleitor Decreto nº 3.029 - 9.1.1881

CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ
Praça Moreira Cabral - Centro - s/n - Cuiabá-MT

quinta-feira, 7 de abril de 2022

Papa condena massacre e beija bandeira vinda de Bucha

Na presença de crianças ucranianas que fugiram do país, pontífice implorou pelo fim da guerra. "Silenciemos as armas, paremos de semear morte e destruição", apelou. O papa Francisco criticou nesta quarta-feira (06/04) a "crueldade cada vez mais horrível" que atinge a Ucrânia e condenou o massacre na cidade ucraniana de Bucha, a poucos quilômetros de Kiev. Ele recebeu um grupo de crianças ucranianas que tiveram que fugir de seu país e beijou e abençoou uma bandeira proveniente de Bucha, onde centenas de civis foram mortos.
"As recentes notícias da guerra na Ucrânia atestam novas atrocidades, como o massacre de Bucha, uma crueldade cada vez mais horrível, cometida também contra civis indefesos, mulheres e crianças", disse o papa em sua audiência semanal, no Vaticano.
"São vítimas cujo sangue inocente clama ao céu e implora: acabemos com esta guerra, silenciemos as armas! Paremos de semear morte e destruição!", acrescentou.
Pouco depois, o pontífice desfraldou uma bandeira vinda da cidade de Bucha diante dos milhares de fiéis reunidos no salão Paulo 6°. "Ontem, direto de Bucha, me trouxeram esta bandeira. Esta bandeira vem da guerra, da cidade martirizada de Bucha", declarou, antes de beijar a bandeira visivelmente enegrecida pelos combates.
Francisco acolheu no altar o grupo de crianças, acompanhado de suas famílias, e entregou a elas alguns ovos de Páscoa.
"Estas crianças tiveram que fugir e chegar a uma terra estranha: este é um dos frutos da guerra. Não as esqueçamos, e não esqueçamos o povo ucraniano", pediu. "É difícil ser desenraizado da própria terra por causa de uma guerra", destacou.
Elogios à Polônia
Durante a audiência, na presença de alguns poloneses, Francisco também elogiou o empenho da Polônia em receber mais de três milhões de refugiados.
"Vocês demonstraram uma extraordinária e exemplar generosidade para com nossos irmãos e irmãs ucranianos, para os quais abriram seus corações e as portas de suas casas", disse o papa.
O pontífice também lamentou "a impotência das organizações internacionais" face ao conflito.
"Após a 2ª Guerra Mundial, foram feitas tentativas para lançar as bases para uma nova história de paz, mas, infelizmente, a velha história de grandes potências concorrentes foi perpetuada. E na atual guerra na Ucrânia somos testemunhas da impotência das organizações", destacou.
No domingo, ao regressar de uma viagem a Malta, o papa expressou "a sua disponibilidade" para ajudar a silenciar as armas na Ucrânia e disse estar pronto para visitar Kiev.
"A guerra é sempre uma crueldade, uma coisa desumana e vai contra o espírito humano – não digo espírito cristão – contra o espírito humano", disse o papa na ocasião.
le (Lusa, AFP, Reuters, ots)cp
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos