Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso

Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso
Av. André Maggi nº 6, Centro Político Administrativo Cep: 78.049-901- Cuiabá MT.

Salesiano Santo Antônio

Salesiano Santo Antônio
Rua Alexandre de Barros, 387, Chácara dos Pinheiros Cuiabá

Seu título está na mão

Seu título está na mão
1º Título de Eleitor Decreto nº 3.029 - 9.1.1881

CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ
Praça Moreira Cabral - Centro - s/n - Cuiabá-MT

sexta-feira, 6 de maio de 2022

Municípios ganham prazo para adesão ao acordo de R$ 65,6 bilhões da Lei Kandir

Senador por Mato Grosso, Wellington Fagundes espera por votação do novo Pacto Federal que garantirá mais R$ 3,6 bilhões ao acordo.
O Senado aprovou nesta quarta-feira, 04, o projeto de lei complementar que libera 144 municípios para receberem repasses federais referentes ao acordo em torno da Lei Kandir. Esses recursos estão previstos na Lei Complementar 176/2020, de autoria do senador Wellington Fagundes (PL-MT), que encerrou disputas judiciais sobre perdas provocadas pelo ‘esforço de exportação’ de Estados e municípios e garantiu a transferência de R$ 65,6 bilhões.
De autoria do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), a matéria foi relatada pelo senador Esperidião Amin (PP-SC) e segue agora para votação na Câmara dos Deputados. Foram 49 votos a favor e nenhum contra. Todos os municípios de Mato Grosso aderiram ao acordo. O benefício envolve 67 municípios do Nordeste, 47 do Sudeste, 16 do Sul e 14 do Norte.
O projeto apresentado por Fagundes, que deu origem à Lei Complementar 176/2020, previa que Estados e municípios deveriam apresentar documentação de renúncia a todas as ações na Justiça contra a União sobre perdas de arrecadação com a antiga Lei Kandir. Exceção desses 144 municípios, todos os Estados, o Distrito Federal e os demais municípios entregaram a documentação dentro do prazo.
“Esse PLP apenas reabre o prazo de adesão e permitirá aos 144 municípios receberem essas transferências mensais, tanto as parcelas vincendas quanto às parcelas vencidas, referentes aos anos de 2020 e 2021 e aos primeiros meses de 2022” – explicou o relator, ao destacar a importância da iniciativa do projeto.
Os repasses em curso compensam os entes federados prejudicados por causa da Lei Kandir, que isentou empresas do ICMS incidente sobre exportações, diminuindo a arrecadação dos estados e municípios exportadores, mas previu compensação financeira a ser paga pela União devido a essa perda, que, em verdade, ficou provado como sendo divergentes do ‘esforço’ para exportação de produtos primários e semielaborados.
“Este foi o maior acordo firmado para transferência de recursos para estados e municípios na história da República” - frisou Fagundes, ao cumprimentar o senador Tasso Jereissati pela iniciativa de ampliar o prazo aos municípios que não conseguiram fazer a adesão a tempo.
Conforme a proposta aprovada por iniciativa de Fagundes, os entes federativos passariam a receber obrigatoriamente R$ 58 bilhões, em parcelas anuais, até 2037. Esse valor já começou a ser pago. Também já foram assegurados mais R$ 4 bilhões referentes ao leilão de petróleo dos blocos de Atapu e de Sépia. Os R$ 3,6 bilhões restantes estão condicionados à aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 188/19), que trata do novo Pacto Federativo e tramita no Senado. “Seguiremos este ano trabalhando para a aprovação dessa PEC” – disse.
Assessoria/Caminho Político
@caminhopolitico @cpweb

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ame,cuide e respeite os idosos